Em cada um reside a fonte da partilha, e seja ela um dom ou não, deixa-me semear no teu ser o prazer da Música. Ela tem inspirado o Homem no revelar o seu pensamento, o interpretar e sentir o Universo ao longo de milénios. Bem vindo!
03 de Dezembro de 2013

"A educação tem raízes amargas, mas os seus frutos são doces.” Aristóteles

GRANDES MÚSICAS… GRANDES ÉPOCAS!...

Música Medieval (400-1450)

Saudações musicais!  Tranquiliza-te! Iremos dar por finda esta jornada musical. Ainda há muita música para ouvir, e claro, aproveito a oportunidade para…

Em jeito de resumo:

“Os Trovadores eram nobres que compunham música e poesia, tendo como tema o amor de um cavalheiro por uma bela dama. Nasceu por meados dos séculos XIV-XV – os Trovadores. Trovadores ou movimento Trovadoresco é «fusão de elementos sociais, literários, linguísticos e musicais.» (2) Este movimento nasceu na Europa, mais precisamente m França por meados do século XIV. Este movimento é provavelmente aquele que mais influenciou a música no que ela se viria a tornar.” (http://historia_da_musica.blogs.sapo.pt) por no trovadoresco e a criação a

Cantigas de Flauta y Tamboril - La Doncella de Arras http://videos.sapo.pt/zlwVMQGODzIQkZlQ5zUM

“A música Trovadoresca está relacionada com o estado de civilização dos povos, dos seus ideais poéticos e o desenvolvimento da língua. À arte dos trovadores não podem ser, portanto, estranho o espírito cavalheiresco da época, as cruzadas, o sentimento religioso e o amor.«A cantiga de amor a espécie mais desenvolvida, onde o cavalheiro fala do amor da sua dama e das saudades que por ela sente. A linguagem poética e o modo artístico das suas canções, giram à volta do amor e da guerra. «A cantiga da cruzada que era um ‘’tema’’ escolhido pelos Trovadores, onde narravam acontecimentos passados durante as cruzadas (..)»Todas as manifestações nesta arte medieval visam servir Deus e a família. Quanto à origem, esta escola teve influências greco-latinas ao nível da poesia. A acção oriental, que se fez sentir através das Cruzadas, produziu inspiração popular, detectável nas melodias. Chama-se então “trovador” a um poeta-cantor que compunha música para os seus versos. Na Provença, distinguiam-se os trovadores do sul – Trouvadours – e os de norte – Trouvéres, embora utilizassem uma língua parecida com o francês. O movimento trovadoresco estendeu-se por toda a Europa e a sua difusão deveu-se às Cruzadas, que movimentaram grandes massas de guerreiros. Assim, além de inspirarem a forma e o estilo, as Cruzadas foram, também, um veículo em prol da divulgação deste universo cultural. O casamento dos príncipes foi igualmente neste último sentido: A arte de trovar era transmitida de trovador para trovador em lições individuais, orais ou escritas. O poeta trovador inspira-se muitas das vezes na natureza em lendas da época, ou no amor. Assim o movimento trovadoresco fica conhecido pelos seus quatro tipos de Cantigas: as cantigas de Amigo, cantigas de Amor, de Escárnio e Maldizer. As cantigas de Amigo, são cantigas de origem popular, com marcas evidentes da literatura oral (reiterações, paralelismo, refrão, estribilho), recursos esses próprios dos textos para serem cantados e que propiciam facilidade na memorização. Esses recursos são utilizados, ainda hoje, nas canções populares. Este tipo de cantiga, que não surgiu em Provença como as outras, teve suas origens na Península Ibérica. Nela, o eu-lírico é uma mulher (mas o autor era masculino, devido à sociedade feudal e o restrito acesso ao conhecimento da época), que canta seu amor pelo amigo (amigo = namorado), muitas vezes em ambiente natural, e muitas vezes também em diálogo com sua mãe ou suas amigas. A figura feminina que as cantigas de amigo desenham é, pois, a da jovem que se inicia no universo do amor, por vezes lamentando a ausência do amado, por vezes cantando a sua alegria pelo próximo encontro.” (http://historia_da_musica.blogs.sapo.pt) por no trovadoresco e a criação a

Cantigas de Flauta y Tamboril - La Oveja que Hablo http://videos.sapo.pt/JsL2YiPajEzu41UvzAHK

“Exemplo de uma cantiga de Amigo é: Exemplo (de D. Dinis) "Ai flores, ai flores do verde pino, se sabedes novas do meu amigo! ai Deus, e u é? Ai flores, ai flores do verde ramo, se sabedes novas do meu amado! ai Deus, e u é? Se sabedes novas do meu amigo, aquel que mentiu do que pôs comigo! ai Deus, e u é? Se sabedes novas do meu amado, aquel que mentiu do que mi há jurado! ai Deus, e u é?"(...) Repartição das Ideias: O lamento da moça cujo namorado partiu; Deus é o elemento mais importante do poema; Eu lírico feminino; Já nas cantigas de Amor, o cavalheiro dirige-se à mulher amada como uma figura idealizada, distante. O poeta, na posição de fiel vassalo, se põe a serviço de sua senhora, dama da corte, tornando esse amor um objecto de sonho, distante, impossível. Neste tipo de cantiga, originária de Provença, no sul de França, o eu-lírico é masculino e sofredor. Sua amada é chamada de senhor (as palavras terminadas em or como senhor ou pastor, em galego-português não tinham feminino). Canta as qualidades de seu amor, a "minha senhor", a quem ele trata como superior revelando sua condição hierárquica. Ele canta a dor de amar e está sempre acometido da "coita", palavra frequente nas cantigas de amor que significa "sofrimento por amor". Essa relação amorosa vertical é chamada "vassalagem amorosa", pois reproduz as relações dos vassalos com os seus senhores feudais. A sua estrutura é mais sofisticada. Exemplo de uma cantiga de Amor é: Lírica galego-português (de Bernal de Bonaval): "A dona que eu am'e tenho por Senhor amostrade-me-a Deus, se vos en prazer for, se non dade-me-a morte. A que tenh'eu por lume d'estes olhos meus e porque choran sempr(e) amostrade-me-a Deus, se non dade-me-a morte. Essa que Vós fezestes melhor parecer de quantas sei, ay Deus, fazede-me-a veer, se non dade-me-a morte. Ay Deus, que me-a fezestes mais ca min amar, mostrade-me-a hu possa con ela falar, se non dade-me-a morte." Repartição de Ideias: O sofrimento amoroso do eu-lírico perante uma mulher idealizada e distante; Amor impossível; Vassalagem amorosa "o eu lírico usa o pronome de tratamento "senhor"; Para finalizar temos ainda a cantiga de Escárnio, esta satiriza a sociedade ou uma pessoa em concreto, essa sátira era indirecta, cheia de duplos. O cómico que caracteriza essas cantigas é predominantemente verbal, dependente, portanto, do emprego de recursos retóricos sentidos. Assim e acabando este movimento, temos a cantiga de Maldizer que ao contrário da cantiga de escárnio, traz uma sátira directa e sem duplos sentidos. É comum a agressão verbal à pessoa satirizada, e muitas vezes, são utilizados até palavrões. O nome da pessoa satirizada pode ou não ser revelado. Exemplo de uma cantiga de Maldizer é: Cantiga Joan Garcia de Guilhade "Ai dona fea! Foste-vos queixar Que vos nunca louv'en meu trobar Mais ora quero fazer un cantar En que vos loarei toda via; E vedes como vos quero loar: Dona fea, velha e sandia! Ai dona fea! Se Deus mi pardon! E pois havedes tan gran coraçon Que vos eu loe en esta razon, Vos quero já loar toda via; E vedes qual será a loaçon: Dona fea, velha e sandia! Dona fea, nunca vos eu loei En meu trobar, pero muito trobei; Mais ora já en bom cantar farei En que vos loarei toda via; E direi-vos como vos loarei: Dona fea, velha e sandia!" Repartição de Ideias: Não se fala directamente, da pessoa em questão; Existe um “ataque”, a pessoa em questão; Mas continua sempre a “presença” de Deus.” (http://historia_da_musica.blogs.sapo.pt) por no trovadoresco e a criação a

Cantigas de Flauta y Tamboril - La Patada del Mancebo http://videos.sapo.pt/oudvM3TBZCAhgo3gvSAC

“Conclui-se assim, que os trovadores são uma parte muito importante na história da música, na medida em que com as suas manifestações e rituais revolucionaram a música, no que diz respeito a melodias, letras de músicas (com os seus versos compunham músicas) e pelo impacto que tiveram na Europa, nomeadamente com as cruzadas. Este movimento estendeu-se por toda a Europa e teve grande influencia no que hoje em dia é a música, pois as misturas de melodias e letras de versos de músicas que podemos ouvir nos dias de hoje, tiveram inicio na era medieval, por volta dos séculos XV. Este movimento foi evoluindo ao longo dos séculos chegando até ao século XXI com grande importância. Pode dizer-se que o movimento trovadoresco foi a base do que viria a ser a música nos séculos seguintes.” (http://historia_da_musica.blogs.sapo.pt) por no trovadoresco e a criação a

Cantigas de Flauta y Tamboril - La Tajada de Carne http://videos.sapo.pt/qPuOe2z51r9DHgyVsHzB

Cantigas de Flauta y Tamboril - El Hereje de Tolosa http://videos.sapo.pt/GFoA66vjwCvYJK8toK72

Cantigas de Flauta y Tamboril - La Masa del Pan http://videos.sapo.pt/zZ0DGSwlNt3qLb4efLiA

Cantigas de Flauta y Tamboril - 13 El Toro de Plasencia http://videos.sapo.pt/07y0Ch6Ozq5ifMG7jvBB

Agora que este período da História da Música findou, prepar-te para a próxima viagem. Descansa um pouco. Dá uns golinhos na bilha de água, mochila às costas ;) e zás! Capacete na mona e lá vamos nós! ;)

Por isso!... Não percas o próximo post… porque nós… também não!!!
publicado por Musikes às 11:09 link do post
mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
comentários recentes
Obrigado pelas suas palavras.Viverá para sempre na...
Para mim, a canção mais bonita cantada em lingua p...
Ola! ☺️Saudações Musikes! 🤗Claro que me lembro! Co...
Olá Pedro,Como estás? Eu sou a Alda, a colega que ...
è Natal, é Natal....As mais belas canções de Natal...
blogs SAPO