Em cada um reside a fonte da partilha, e seja ela um dom ou não, deixa-me semear no teu ser o prazer da Música. Ela tem inspirado o Homem no revelar o seu pensamento, o interpretar e sentir o Universo ao longo de milénios. Bem vindo!
09 de Abril de 2019

A terceira edição do Porto Blues Fest está marcada para 17 e 18 de maio. Os bilhetes já estão à venda.

Depois do sucesso dos dois anos anteriores, o Porto Blues Fest continua em 2019 a levar música à concha acústica dos Jardins do Palácio de Cristal. Desta vez, os concertos chegam com a companhia de cheiros e sabores de Nova Orleães, uma das regiões que tem o blues como música tradicional.

 

MUSIKES!

Grandes Músicas… Grandes Épocas!...

 

 

A abertura do festival, a 17 de maio, sexta-feira, estará a cargo de Henrik Freischlader. Influenciado por guitarristas como Peter Green, Steve Ray Vaughn e especialmente Gary Moore, este multi-instrumentista alemão promete um concerto explosivo de blues rock. Freischlader já atuou nas primeiras partes de concertos de Joe Bonamassa, B.B. King, Johnny Winter e dos próprios Peter Green e Gary Moore, entre outras lendas do blues.

A primeira noite termina com uma voz de Filadélfia, mistura influências da soul dos anos 60, tempos das editoras Motown e Sax, com sons rock e funk mais modernos. O resultado é um blues que deixará certamente alguns (ou muitos) a dançar.

 

 

No sábado, a noite volta a começar com rock blues, desta vez trazido por Gwyn Ashton. Nascido no País de Gales e radicado durante muitos anos na Austrália, este virtuoso guitarrista foi apelidado de "rei do feel" por Robert Plant, vocalista dos Led Zepellin. Don Airey, teclista dos Deep Purple, tocou em dois dos seus álbuns e descreveu-o como "um dos grandes heróis não-cantados". Em mais de 30 anos de carreira, Asthon atuou com nomes como Mick Fleetwood, Hubert Sumlin ou Canned Heat e abriu concertos de Ray Charles, Van Morrison, Buddy Guy ou BB King. Em 2001, foi eleito guitarrista do ano pela Part Magazine, só atrás de Jeff Beck e Gary Moore.

 

O cartaz fecha com um concerto de homenagem a Wolfram Minnemann, pianista alemão a viver no Porto desde 1973. Acompanhado em palco por António Mão de Ferro (guitarra), Rui Azul (saxofone), Manu Zé (baixo) e Rui "Cenoura" Ferraz (bateria), Minnemann levará aos Jardins do Palácio de Cristal um espetáculo que parte dos estilos de boogie-woogie e honky-tonk, servidos com bom-humor.

 

Além da música, este terceiro Porto Blues Fest aposta no lado gastronómico. Na zona de restauração do evento, o público poderá experimentar os cheiros e sabores de Nova Orleães, trazidos pelo chef argentino Chakall.

Os bilhetes para o festival já estão à venda, online e nas lojas habituais.

 

 

Segue o Musikes em...

Facebook  Twitter  Padlet

publicado por Musikes às 13:03 link do post
mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
comentários recentes
Obrigado pelas suas palavras.Viverá para sempre na...
Para mim, a canção mais bonita cantada em lingua p...
Ola! ☺️Saudações Musikes! 🤗Claro que me lembro! Co...
Olá Pedro,Como estás? Eu sou a Alda, a colega que ...
è Natal, é Natal....As mais belas canções de Natal...
blogs SAPO