Em cada um reside a fonte da partilha, e seja ela um dom ou não, deixa-me semear no teu ser o prazer da Música. Ela tem inspirado o Homem no revelar o seu pensamento, o interpretar e sentir o Universo ao longo de milénios. Bem vindo!
29 de Outubro de 2014

"O homem prudente não diz tudo quanto pensa, mas pensa tudo quanto diz.” Aristóteles

GRANDES MÚSICAS… GRANDES ÉPOCAS!...

MÚSICA CLÁSSICA (1750-1810)

“Mas Mozart estava feliz. Conseguira a liberdade que desejava, e só restava conquistar o público vienense. O que ele conseguiu, pelo menos nos primeiros anos. Ele se tornou um virtuose (era mais respeitado como intérprete do que como criador, mal, aliás, que atingiu grande parte dos grandes compositores) conhecido e requisitado, e levava a vida com certa fartura. (…) Neste clima, os primeiros anos vienenses de Mozart foram tranqüilos, mas ele não era exatamente uma pessoa tranqüila. Como escreveu seu cunhado Lange, que pintou seu retrato, o compositor exprimia uma certa "angústia íntima", que contrastava com a alegria e frivolidade que demonstrava em sociedade. Era uma pessoa melancólica e irriquieta ao mesmo tempo. A busca deste "eu", que sempre angustiou Mozart, levou-o à maçonaria. Ele entrou na ordem como aprendiz em 1784, e no ano seguinte já era mestre. Foi uma adesão séria, e realmente engajada, como atestam uma série de obras de inspiração maçônica, que datam desta época. A influência da maçonaria não se limitou a essas obras dedicadas à ordem. Em outras peças do período, Mozart atinge o ponto alto em matéria de profundidade e expressão pessoal. São obras às quais não foram impostas nenhuma amarra - nem a corte, nem a burguesia - e simbolizam a conquista da liberdade tão almejada pelo compositor. Era um homem livre, talvez o primeiro da História da Música.” (http://geniosmundiais.blogspot.pt/2006/01/biografia-de-wolfgang-amadeus-mozart.html)

Mozart, Las bodas de Fígaro/Le Nozze di Figaro (subtítulos en inglés) Caixa de entrada http://youtu.be/FqVLkHgvHfI

“Mas sua popularidade entre a sociedade vienense cai, talvez em conseqüência disso - afinal, Mozart estava compondo mais para si do que para o público. A grande ópera As Bodas de Fígaro, estreada em 1786, foi um fracasso financeiro, e as preocupações materiais começam a aparecer. Um refúgio temporário foi Praga. Lá a acolhida de As Bodas de Fígaro foi entusiástica, o que levou à encomenda de outra ópera: Don Giovanni. Foi um sucesso estrondoso entre os tchecos, mas a estréia em Viena resultou em fiasco igual ou maior ao da ópera anterior. A situação econômica de Mozart piora muito, o que pode-se notar pelo número de empréstimos e de dívidas. As encomendas rareavam, e a fama já não mais existia. Em 1791, recebeu, de um amigo maçom, a encomenda de uma ópera. Seria uma ópera diferente, não para ser encenada para o Imperador, mas para o povo. A história, por meio de um conto de fadas, fazia a apologia da maçonaria e de seus valores (a busca de si mesmo, a sabedoria e a fraternidade). Era A Flauta Mágica, a maior obra-prima de Mozart. Sua estréia, em um pequeno teatro popular na periferia de Viena, foi um triunfo total e contínuo. As apresentações não cessavam e a fama da ópera correu toda a cidade, como uma coqueluche.” (http://geniosmundiais.blogspot.pt/2006/01/biografia-de-wolfgang-amadeus-mozart.html)

Mozart - A Flauta Mágica Caixa de entrada http://youtu.be/hD89QvfHdVc

“As encomendas a Mozart, conseqüentemente, aumentaram de maneira substancial. Entre elas, um réquiem. Há muitas lendas em torno deste assunto. Fala-se de um "homem misterioso", que teria feito a encomenda, sem se identificar, e cuja presença aterrorizaria Mozart, já próximo de sua própria morte. O homem misterioso seria a Morte personificada? O filme Amadeus, de Milos Forman, mostra o compositor rival, Antonio Salieri, como o encomendante. De fato, por algum tempo acreditou-se que Mozart teria sido envenenado pelo invejoso e rancoroso Salieri. Atualmente, não há porque levar a sério essa hipótese, mas a vida de grandes artistas sempre suscitam grandes fantasias - como exemplo, as lendas em torno de Paganini. Na realidade, não há nenhum "homem misterioso". O Requiem fora encomendado por um nobre, o conde von Walsegg-Stuppach, que queria homenagear a memória da esposa e fazer-se passar como o compositor da música. Mozart, muito atarefado (muitas encomendas e apresentações da Flauta Mágica) e doente (seus rins estavam quase destruídos), foi escrevendo o Requiem quando podia, apressadamente, dando até mais importância para outras obras. Estaria ele incomodado pelo fato de escrever uma missa fúnebre? Especulações à parte, o fato é que não conseguiu cumprir a encomenda. Wolfgang Amadeus Mozart morreu em 5 de dezembro de 1791. (...) o Requiem, completado pelo discípulo Franz Xaver Süssmayr, acabou sendo composto para si mesmo.” (http://geniosmundiais.blogspot.pt/2006/01/biografia-de-wolfgang-amadeus-mozart.html)

Mozart Requiem In D Minor, K 626 - Introitus Requiem Aeternam http://videos.sapo.pt/rneCUlBgqc7qWnzC7MuW

Mozart Requiem In D Minor, K 626 - Kyrie Eleison http://videos.sapo.pt/6Bk5U8LKkdcEKzdJ1BGw

Mozart Requiem In D Minor, K 626 - Sequentia Dies Irae http://videos.sapo.pt/d543vjw11NNdDPzjkYhu

Mozart Requiem In D Minor, K 626 - Sequentia Tuba Mirum http://videos.sapo.pt/22s12F9zBjGlBaUAj2DV

Mozart Requiem In D Minor, K 626 - Sequentia Rex Tremendae Majestatis http://videos.sapo.pt/ybNzBGtqtJfiDl8KgmyL

Mozart Requiem In D Minor, K 626 - Sequentia Recordare, Jesu Pie http://videos.sapo.pt/4pO0imCWm77Rk2Mj58Vp

Mozart Requiem In D Minor, K 626 - Sequentia Confutatis Maledictis http://videos.sapo.pt/da7IpvjYwboqKZw7ZOp0

Mozart Requiem In D Minor, K 626 - Sequentia Lacrimosa Dies Illa http://videos.sapo.pt/TaqwpJP06ytsQiQdZqv9

Mozart Requiem In D Minor, K 626 - Offertorium Domine Jesu Christe http://videos.sapo.pt/NkFwkKfMraGARH9zJUSA

Mozart Requiem In D Minor, K 626 - Offertorium Hostias Et Preces http://videos.sapo.pt/eBAZfDZiERzoE9uA74wS

Mozart Requiem In D Minor, K 626 – Sanctus http://videos.sapo.pt/2BLAakKAhtY3cW1ALkqY

Mozart Requiem In D Minor, K 626 – Benedictus http://videos.sapo.pt/iIpMaT0YoHndoWuYtt00

Mozart Requiem In D Minor, K 626 - Agnus Dei http://videos.sapo.pt/Nlfp41THwzyBkSi1tB6k

Mozart Requiem In D Minor, K 626 - Communio Lux Aeterna http://videos.sapo.pt/jTr4a4NDvm8LwZKdVQ0t

Se a curiosidade te agita, aqui fica o link para visionares ao vivo uma grande orquestra a executar esta mesma obra. Boa audição! 

Mozart Requiem D minor K 626 Herbert von Karajan Wiener Philarmoniker Caixa de entrada http://youtu.be/L5w35qygC9U

“Por isso!... Não percas o próximo post… porque nós… também não!!!”
publicado por Musikes às 09:49 link do post
mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
comentários recentes
Obrigado pelas suas palavras.Viverá para sempre na...
Para mim, a canção mais bonita cantada em lingua p...
Ola! ☺️Saudações Musikes! 🤗Claro que me lembro! Co...
Olá Pedro,Como estás? Eu sou a Alda, a colega que ...
è Natal, é Natal....As mais belas canções de Natal...
blogs SAPO