Em cada um reside a fonte da partilha, e seja ela um dom ou não, deixa-me semear no teu ser o prazer da Música. Ela tem inspirado o Homem no revelar o seu pensamento, o interpretar e sentir o Universo ao longo de milénios. Bem vindo!
15 de Junho de 2017

“O Romantismo foi ,muito mais do que uma forma das pessoas se vestirem durante o século XIX, uma maneira de ver o mundo e se relacionar com ele. Abrange a literatura, arquitetura, pintura, música, teatro, etc e se caracterizou por um forte nacionalismo, um sentimento de valorização do próprio país.” (http://paulabeh.blogspot.pt/2007/03/romantismo.html)

 

E é nesta descoberta de uma época que faz parte da evolução das sociedades, que a música, à semelhança das outras artes, enuncia  através das suas sonoridades o que tanto caracteriza o século XIX.

 

O “vinil” digital encontra-se aqui. Ao teu ritmo, o trecho que for a tua escolha, na comodidade do teu sofá, e claro, na companhia do teu “Musikes”.

  

Boas audições!

 

*****

 

“Só o que sonhamos é o que verdadeiramente somos, porque o mais, por estar realizado, pertence ao mundo e a toda a gente.” Fernando Pessoa

 

 

GRANDES MÚSICAS… GRANDES ÉPOCAS!...

 

 

Séc. XIX - O Romantismo

(1810-1910)

 

Louis Hector Berlioz

(1803-1869)

 

“(…) Berlioz compôs e lutou com vigor inesgotável, sem nunca transigir; obteve o aplauso de alguns de seus contemporâneos mais rspeitáveis, como Liszt, Schumann e mesmo Wagner, e dos auditórios mais versados. No entanto, conheceu poucos e efêmeros momentos de absoluto sucesso, porque sua irreverência, ousadia e novidade causavam espanto. Nesse sentido, a liberdade de Berlioz ameaçava valores até então consagrados. (…)”

 

Hector Berlioz: Waverly overture, Op. 1

 

Hector Berlioz: Fleurs des landes, Op. 13: Le Jeune Pâtre Breton , Nº 4 (estrofes 1-4)

 

Hector Berlioz: Tristia, Op. 18

 

“(…) Entre 1842 e 1846, Berlioz viajou a Bruxelas, principais cidades da Alemanha, Áustria, Hungria, chegando a Praga. Por sugestão de Balzac, partiu para a Rússia, no início de 1847, em busca de algum sucesso. Realmente o conseguiu, e seu retorno foi maldosamente anunciado nos jornais como  " a volta de Mr. Berlionovsky". Em Paris, a situação não era melhor, sobretudo pelos movimentos políticos de 1848. Harriet estava paralítica, vítima de um ataque de apoplexia e seu filho Louis trocara os estudos pelas aventuras marítimas.  

Berlioz procurava escapar aos desgostos e impor sua música. No início de 1850, fundou, com um grupo de amigos, a Sociedade Filarmônica. Paris estava dominada por recitais de virtuoses, óperas-cômicas, coisas insignificantes. Berlioz adoecera, sentia-se consumido. Com a morte do pai herdara o suficiente para usufruir de certa tranquilidade financeira. Em 1854, morre sua esposa Harriet. Casa-se com Marie Recio, cantora sem talento. (…)” (http://www.renatacortezsica.com.br/compositores/berlioz.htm)

 

Hector Berlioz: Rêverie et Caprice, Op. 8

 

Hector Berlioz: Feuillets d’album, Op. 19

 

Hector Berlioz: Te Deum, Op. 22

 

Hector Berlioz: Béatrice et Bénédict, op.27

 

***

 

E claro, não percas o post seguinte!

 

Muita música ainda há para ouvires!

Também o Facebook e Twitter, muito mais para escutar e partilhar.

 

Por isso!...

Não percas o próximo post… porque nós… também não!

 

publicado por Musikes às 12:27 link do post
mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
comentários recentes
Ola! ☺️Saudações Musikes! 🤗Claro que me lembro! Co...
Olá Pedro,Como estás? Eu sou a Alda, a colega que ...
è Natal, é Natal....As mais belas canções de Natal...
Quando estou triste, paro e medito...Quando estou ...
A música é, sem dúvida, o alimento da alma... das ...
blogs SAPO