Em cada um reside a fonte da partilha, e seja ela um dom ou não, deixa-me semear no teu ser o prazer da Música. Ela tem inspirado o Homem no revelar o seu pensamento, o interpretar e sentir o Universo ao longo de milénios. Bem vindo!
18 de Dezembro de 2014

"A arte consiste em fazer os outros sentir o que nós sentimos, em os libertar deles mesmos, propondo-lhes a nossa personalidade para especial libertação." Fernando Pessoa

A época natalícia aí está. Tempo de estar com a família e com todos aqueles que muito estimamos. E claro, que não pode faltar o tradicional bacalhau; as rabanadas; o pão-de-ló e tantos outras doçarias que tornam o Natal tão especial. A família junto de nós é, certamente, o melhor presente que poderemos oferecer.

O "Gotinhas Culturais" volta no ano que vem, e até lá, deseja a todos os seus leitores um Feliz Natal e próspero Ano Novo de 2015.

*****

No "Gotinhas" desta semana, estas e outras novas que passaram.

Carlos do Carmo é a personalidade do ano para a imprensa estrangeira em Portugal Fadista é premiado por ter promovido a imagem de Portugal internacionalmente. Carlos do Carmo recebe este prémio no mesmo ano em que recebeu o Grammy Latino de Carreira.

A violinista com "queda" para Shostakovitch Era uma violinista conhecida sobretudo através de gravações. Desde que emigrou para Inglaterra, iniciou uma muito fértil carreira discográfica, principalmente na etiqueta Chandos. Unia a perfeição técnica da execução a uma grande capacidade para captar e transmitir os interstícios mais recônditos das obras (mormente tratando-se de autores russos), o que tornava as suas 'performances' particularmente intensas.

Herbie Hancock e Chick Corea juntam-se no EDP Cool Jazz de 2015 São dois dos pianistas mais influentes da história do jazz do século XX e a 19 de julho do próximo ano estarão juntos nos Jardins do Marquês de Pombal, em Oeiras, para um raro dueto em piano acústico.

Manoel de Oliveira recebeu Legião de Honra francesa por "carreira fora do comum" O realizador Manoel de Oliveira foi (no passado dia 10 de Dezembro )distinguido com a Legião de Honra francesa, por uma carreira que o embaixador francês em Portugal, Jean-François Blarel, descreveu como "fora do comum", marcada por laços de amizade com aquele país.

Descoberto na Noruega o primeiro filme de Natal da Disney Empty Socks é um filme da Disney de 1927 que se julgava perdido. Filme foi digitalizado e enviado para a Disney.

Eléctrico histórico regressa à marginal marítima do Porto e carros perdem uma faixa A Câmara do Porto revelou que vai "reestruturar profundamente" o trânsito em toda a zona da Foz.

10 filmes para ver (ou provavelmente rever) neste Natal Com o aproximar do Natal entra-se na época dos "filmes natalícios". Todos os anos há novidades, mas há clássicos que não parecem envelhecer. O DN escolheu dez.

*****

Carlos do Carmo é a personalidade do ano para a imprensa estrangeira em Portugal http://www.publico.pt/culturaipsilon/noticia/carlos-do-carmo-e-a-personalidade-do-ano-para-a-imprensa-estrangeira-em-portugal-1679651

O fadista Carlos do Carmo foi escolhido pela Associação da Imprensa Estrangeira em Portugal (AIEP) para a Personalidade do Ano de 2014/Prémio Martha de la Cal, anunciou nesta terça-feira a entidade.

A violinista com "queda" para Shostakovitch http://www.dn.pt/inicio/artes/interior.aspx?content_id=4296673

Era uma violinista conhecida sobretudo através de gravações. Desde que emigrou para Inglaterra, iniciou uma muito fértil carreira discográfica, principalmente na etiqueta Chandos. Unia a perfeição técnica da execução a uma grande capacidade para captar e transmitir os interstícios mais recônditos das obras (mormente tratando-se de autores russos), o que tornava as suas 'performances' particularmente intensas. Nasceu em Saratov (como Alfred Schnittke), a 30 de abril de 1944, consta que na estação de comboio. O seu apelido original era Shtimerman e tudo indica que pertencesse à histórica comunidade judaica da Bessarábia/Moldávia (felizmente, os seus pais fugiram para o interior da URSS a tempo de escapar à invasão nazi de 1941). Lydia cedo começa a ganhar notoriedade regional, até que o seu nome foi referenciado às autoridades centrais como particularmente promissor, pelo que foi enviada para Moscovo, para estudar no Conservatório Tchaikovsky, com nada menos que David Oistrakh, lendário violinista russo (1908-1974), um dos maiores do século XX - também ele um judeu originário de Odessa. Lydia tornou-se uma das alunas preferidas de Oistrakh, foi sua assistente de 1968 a 1970 e beneficiou, em paralelo, da relação de amizade e admiração mútuas que existia entre David e o compositor Dmitri Shostakovitch (1906-1975) - que dedicou ao violinista os seus dois concertos para o instrumento e ainda a Sonata para violino e piano, op. 134. Lydia pôde inclusivé assistir à gestação da Sonata nas mãos do professor e foi uma das presentes quando ele fez a estreia informal da obra - no caso, perante a sua classe de violino, algures por 1969. Também neste ano vence o Concurso Marguerite Long-Jacques Thibaud, em Paris. No ano mesmo em que Oistrakh morre, Lydia decide emigrar para Israel (iniciando-se então na pedagogia) e será aí, uns anos depois, que Brian Couzens, produtor discográfico da RCA, a "descobre" e a convence a gravar um disco (Concerto de Brahms) para a etiqueta. Quando, pouco depois, Couzens cria a Chandos, Lydia "acompanha-o". Para a Chandos, ela gravará cerca de 60 discos, com todo o grande repertório, mais autores menos conhecidos, quer russos, quer britânicos. Entretanto (1980), muda-se para Inglaterra, vindo a adquirir cidadania inglesa. A partir de 1995, lecciona na Royal Academy of Music.

Herbie Hancock e Chick Corea juntam-se no EDP Cool Jazz de 2015 http://www.dn.pt/inicio/artes/interior.aspx?content_id=4297572

São dois dos pianistas mais influentes da história do jazz do século XX e a 19 de julho do próximo ano estarão juntos nos Jardins do Marquês de Pombal, em Oeiras, para um raro dueto em piano acústico. Existe um nome fundamental que une os percursos dos pianistas Herbie Hancock e Chick Corea: Miles Davis. O último substituiu gradualmente o primeiro quando este se começou a afastar da banda do célebre trompetista norte-americano. Foi nesta fase que se conheceram e, ainda que se tenham mantido próximos, raras têm sido as oportunidades de ver estes dois pianistas a tocar juntos. Quase cinco décadas depois do primeiro encontro, Herbie Hancock e Chick Corea voltam a juntar-se e no próximo ano vão atuar nos Jardins do Marquês de Pombal, em Oeiras, integrados no festival EDP Cool Jazz, revela a promotora Música no Coração. O concerto dos pianistas realiza-se a 19 de julho e as entradas custam entre 25 e 50 euros. Foi em 1968 que os seus caminhos se cruzaram pela primeira vez pela mão de Miles Davis. Na altura em que Herbie Hancock abandonava o quinteto do trompetista, Chick Corea acabou por acompanhar Miles Davis numa fase crucial da sua carreira, a da transição para o jazz de fusão. Corea manteve-se ao lado do trompetista apenas durante dois anos, mas ainda gravou com ele o influente álbum Bitches Brew (1970), um trabalho que revolucionou a história do jazz.

Manoel de Oliveira recebeu Legião de Honra francesa por "carreira fora do comum" http://www.dnoticias.pt/actualidade/5-sentidos/486019-manoel-de-oliveira-recebeu-legiao-de-honra-francesa-por-carreira-fora-

O realizador Manoel de Oliveira foi (no passado dia 10 de Dezembro )distinguido com a Legião de Honra francesa, por uma carreira que o embaixador francês em Portugal, Jean-François Blarel, descreveu como "fora do comum", marcada por laços de amizade com aquele país. Numa cerimónia que decorreu no Museu de Serralves, no Porto, o embaixador francês salientou as ligações francófonas de Manoel de Oliveira, mostrando "orgulho por que parte da obra tenha sido realizada em França" e em francês, lembrando as diversas distinções que o realizador português já recebeu ao longo da carreira, desde o prémio Robert Bresson à Palma de Ouro pela carreira, em Cannes. "É para mim uma grande honra receber, da parte da França, esta distinção", afirmou Manoel de Oliveira, em francês, antes de agradecer à França e de dizer "Viva o cinema!" perante uma assistência que incluía o secretário de Estado da Cultura, o presidente da Câmara Municipal do Porto e o realizador João Botelho. O presidente da Câmara do Porto, Rui Moreira, relatou que, muitas vezes, é questionado sobre se Manoel de Oliveira é do Porto: "Eu costumo dizer que o Porto é de Manoel de Oliveira." Jean-François Blarel elencou a série de vidas contidas nos quase 106 anos - a completar na quinta-feira - do realizador de "Douro, Faina Fluvial", desde o ator de "Fátima Milagrosa" ao dançarino de "Inquietude", passando por tantos outros. O diplomata sublinhou tratar-se de um "realizador genial, sempre de uma modernidade radical, sem cessar de se colocar em causa, de explorar novas estéticas e manifestando sempre a consciência forte do valor artístico do cinema". Por seu lado, o primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, em comunicado, enalteceu hoje o realizador Manoel de Oliveira como uma "referência do cinema nacional e mundial", no dia em que o cineasta foi distinguido pelo Governo de França. Passos Coelho afirmou, no comunicado, que se "congratula com a atribuição, por parte do Estado francês, das insígnias de Grande Oficial da Legião de Honra de França ao realizador Manoel de Oliveira". O primeiro-ministro recordou ainda que o Estado português também já distinguiu a "carreira ímpar de Manoel de Oliveira", com a Comenda da Ordem Militar de Sant'Iago da Espada (1980), com a Grã-Cruz da Ordem Militar de Sant'Iago da Espada (1988) e com a Grã-Cruz da Ordem do Infante D.Henrique (2008).

Descoberto na Noruega o primeiro filme de Natal da Disney http://www.publico.pt/culturaipsilon/noticia/descoberto-na-noruega-um-filme-da-disney-de-1927-que-se-julgava-perdido-1679453

O Natal chegou mais cedo para a Disney. Um filme que se julgava perdido e do qual se conhecia apenas um extracto de 25 segundos que está no MoMA, em Nova Iorque, foi encontrado no arquivo da biblioteca norueguesa de Mo i Rana, na região do Círculo Polar Ártico. Datado de 1927 e intitulado Empty Socks, este foi o primeiro filme natalício da Disney.

Eléctrico histórico regressa à marginal marítima do Porto e carros perdem uma faixa http://www.publico.pt/local/noticia/electrico-historico-regressa-a-marginal-maritima-do-porto-e-carros-perdem-uma-faixa-1679480

O eléctrico vai voltar a circular na marginal do Porto até Matosinhos, num canal a instalar do lado do mar, subtraindo uma faixa aos automóveis, revelou à agência Lusa o presidente da empresa municipal Águas do Porto.

10 filmes para ver (ou provavelmente rever) neste Natal http://www.dn.pt/inicio/artes/interior.aspx?content_id=4286077&seccao=Cinema

Com o aproximar do Natal entra-se na época dos "filmes natalícios". Todos os anos há novidades, mas há clássicos que não parecem envelhecer. O DN escolheu dez. 10 - Grinch Realizado por Ron Howard, Grinch recebeu um misto de críticas quando estreou a 17 de novembro de 2000. Com Jim Carrey no papel da histórica personagem criada por Dr. Seuss no anos 50 na história 'How the Grinch Stole Christmas!' (tradução: 'Como o Grinch roubou o Natal'), o filme tornou-se num dos mais rentáveis de sempre na época festiva nos EUA (contando o Dia de Ação de Graças e o Natal), tendo sido o mais visto nas primeiras quatro semanas após a estreia naquele país. Em 2001, 'Grinch' foi nomeado para três Óscares: melhor direção artística, melhor guarda-roupa e melhor caracterização. Ganhou nesta última categoria. Jim Carrey venceu o Globo de Ouro como melhor ator em Comédia/Musical. 9 - Sozinho em Casa (Home Alone) É um daqueles filmes que mais Natal, menos Natal, lá acaba a ser transmitido na televisão e é quase impossível resistir em revê-lo, mesmo que já praticamente se conheça todos os pormenores de cor. Quando estreou a 16 de novembro de 1990, a história de Kevin McCallister - a criança de oito anos esquecida por acidente em casa pela família - e os dois ladrões que encontraram naquele rapaz uma inesperada resistência para roubar a casa, tornou-se num êxito sem precedentes. Ainda hoje é uma das comédias de maior sucesso de sempre. Chris Columbus realizou o filme que apresentou Macaulay Culkin ao público, tendo-se transformado numa das crianças mais queridas de Hollywood. Joe Pesci e Daniel Stern foram os ladrões infelizes. Foram feitas quatro sequelas, mas apenas a segunda contou com todo o elenco original.

Por aqui me fico, com a promessa de voltar para um Ano Novo de 2015 renovado.! Votos de um Santo Natal e boas entradas!

Até breve!
publicado por Musikes às 17:29 link do post
mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
comentários recentes
Obrigado pelas suas palavras.Viverá para sempre na...
Para mim, a canção mais bonita cantada em lingua p...
Ola! ☺️Saudações Musikes! 🤗Claro que me lembro! Co...
Olá Pedro,Como estás? Eu sou a Alda, a colega que ...
è Natal, é Natal....As mais belas canções de Natal...
blogs SAPO