Em cada um reside a fonte da partilha, e seja ela um dom ou não, deixa-me semear no teu ser o prazer da Música. Ela tem inspirado o Homem no revelar o seu pensamento, o interpretar e sentir o Universo ao longo de milénios. Bem vindo!
16 de Fevereiro de 2016

“GOTINHAS… CULTURAIS…”

“A arte consiste em fazer os outros sentir o que nós sentimos, em os libertar deles mesmos, propondo-lhes a nossa personalidade para especial libertação.” Fernando Pessoa

A não perder! Aqui algumas sugestões culturais a lá dar um salto. ;)

Casa da Música - Porto

Música no cinema americano (19€)

Orquestra Sinfónica do Porto Casa da Música - [19/02/2016 - sexta-feira | 21:00 | Sala Suggia] - Clássica Orquestra Sinfónica do Porto Casa da Música Takuo Yuasa direcção musical João Bettencourt da Câmara piano Programa: Samuel Barber Adagio (Platoon de Oliver Stone) Sergei Rachmaninoff Concerto nº 2 para piano e orquestra (Breve Encontro de David Lean) Richard Strauss Also sprach Zarathustra (2001, Odisseia no Espaço de Stanley Kubrick) A profícua relação entre a primeira e a sétima arte faz com que certos filmes sejam indissociáveis das suas bandas sonoras. Da mesma forma, ao ouvirmos determinadas músicas lembramo‑nos imediatamente dos filmes em que foram utilizadas. As obras em programa são exemplos máximos desta feliz associação entre a música e o cinema. Dos cenários apocalípticos da Guerra do Vietname, acompanhados ao som do Adagio de Samuel Barber, à intensa paixão proibida de Breve Encontro, à qual a música de Rachmaninoff dá um tom arrebatador, este é um programa feito de obras favoritas do grande público.

Saber mais! http://www.casadamusica.com/pt/agenda/2016/02/19-fevereiro-2016-orquestra-sinfonica-do-porto-casa-da-musica/43173/?lang=pt

Clássicos no cinema (7,5€)

Orquestra Sinfónica do Porto Casa da Música - [21/02/2016 - domingo | 12:00 | Sala Suggia] - Clássica - Concerto comentado Orquestra Sinfónica do Porto Casa da Música Takuo Yuasa direcção musical Concerto comentado por Mário Azevedo Programa: Samuel Barber Adagio (Platoon de Oliver Stone) Richard Strauss Also sprach Zarathustra (2001, Odisseia no Espaço de Stanley Kubrick) “Simples e bonito.” Ficaram célebres as palavras com que o lendário maestro Arturo Toscanini descreveu o Adagio de Samuel Barber, um dos grandes sucessos da música americana e uma das obras mais tocadas do repertório orquestral. A peça ficou para sempre associada ao filme sobre a guerra do Vietname, Os bravos do pelotão, de Oliver Stone. O género do poema sinfónico é ideal para um concerto comentado, dada a sua estrutura narrativa com base num texto. Com os comentários de Mário Azevedo, somos levados a conhecer Assim falou Zaratustra, o poema sinfónico de Strauss cuja introdução retrata o nascer do sol e que foi utilizado com extraordinário pendor ritual e coreográfico na abertura do filme 2001, Odisseia no Espaço, de Stanley Kubrick.

Saber mais! http://www.casadamusica.com/pt/agenda/2016/02/21-fevereiro-2016-orquestra-sinfonica-do-porto-casa-da-musica-concerto-comentado/43174/?lang=pt

Liana (8€)

Novos Valores do Fado | Fim de Tarde - [23/02/2016 - terça-feira | 19:30 | Sala 2] - Fado - Fim de Tarde, Novos Valores do Fado O fado está presente na vida de Liana desde os nove anos de idade. Venceu 13 prémios e foi a primeira fadista a vencer por duas vezes a Grande Noite do Fado de Lisboa. Representou Amália Rodrigues durante cinco anos naquela que foi a peça de teatro mais vista de sempre em Portugal – Amália, o musical – conquistando o Prémio Pateota. Cantou com o grupo Stockholm Lisboa Project, sendo distinguida com o Songlines Music Award e com o Prémio da Crítica Discográfica Alemã (2009). Voltou mais recentemente ao fado tradicional, editando o disco Embalo em 2014. Este trabalho tem sido apresentado em países tão distantes como a China e a Austrália.

Saber mais! http://www.casadamusica.com/pt/agenda/2016/02/23-fevereiro-2016-liana/43337/?lang=pt

***

Casa das Artes – Porto

Casa das Artes dinamiza contos para toda a família A Casa das Artes, no Porto, dando continuidade à sua programação de Serviço Educativo, propõe - até maio - a realização de várias sessões de contos, dirigidas a toda a família. «Sábados com Histórias» é um ciclo de cinco sessões de contos a realizar uma vez por mês, na Casa das Artes, com programação a … Leia mais. http://www.google.com/url?q=http%3A%2F%2Fcasadasartes.pt%2F%3Femail_id%3D26%26user_id%3D187%26urlpassed%3DaHR0cDovL2Nhc2FkYXNhcnRlcy5wdC8yMDE2LzAxL2Nhc2EtZGFzLWFydGVzLWRpbmFtaXphLWNvbnRvcy1wYXJhLXRvZGEtYS1mYW1pbGlhLw%253D%253D%26controller%3Dstats%26action%3Danalyse%26wysija-page%3D1%26wysijap%3Dsubscriptions&sa=D&sntz=1&usg=AFQjCNGWulMsV4z5MTVwF5FtfCfPrxAgkw

***

“Intermitências" de Joclécio

“"Intermitências" é uma coprodução entre o Teatro Municipal do Porto e a Circular - Associação Cultural e resulta de um processo de trabalho iniciado em 2015, que incluiu uma série de residências artísticas e três momentos abertos ao público. (…) O espetáculo de Joclécio Azevedo incide sobre a repetição de ações, sobre a quantificação e distribuição dos movimentos produzidos e expostos ao olhar do público enquanto trabalho físico, enquanto processo contínuo de produção e dispersão de energia. "Intermitências" conta a colaboração do artista plástico Jérémy Pajeanc, com música de Kubik (aka Victor Afonso) e com interpretação de quatro jovens da cidade do Porto, André Mendes, Bruno Senune, Camila Neves e Joana Castro. Em março, o espetáculo será apresentado no Festival Cumplicidades, nos dias 12 e 13, em Lisboa. (…)”

Saber mais! http://www.porto.pt/noticias/intermitencias-de-joclecio-azevedo

"Uma Gaivota" a partir de Tchekhov em estreia no Teatro Municipal do Porto

“O Teatro Municipal do Porto estreia dia 18 de fevereiro, às 21,30 horas, no Rivoli, o espetáculo "Uma Gaivota", do coletivo artístico Estrutura (Cátia Pinheiro e José Nunes) e do encenador e ator Pedro Zegre Penim, membro fundador do Teatro Praga. Tendo como ponto de partida o clássico do dramaturgo e escritor russo Anton Tchekhov, "Uma Gaivota" (1896), este espetáculo procura explorar todas as suas possibilidades dramatúrgicas. Simultaneamente, pretende questionar o próprio ato de se fazer um espetáculo a partir de textos clássicos e (…)

Saber mais! http://www.porto.pt/noticias/uma-gaivota-a-partir-de-tchekhov-em-estreia-no-teatro-municipal-do-porto

***

Sonnabend em Serralves

“O Museu de Serralves apresenta uma selecção de obras da Colecção Sonnabend, comissariada por António Homem. Trata-se de uma viagem à arte europeia e americana da segunda metade do século XX e que ontem foi inaugurada por João Soares, Ministro da Cultura, com a presença de Rui Moreira, presidente da Câmara do Porto. A exposição é composta por 61 pinturas, esculturas e instalações de 44 artistas, de Robert Rauschenberg a « Barry Le Va. The Sonnabend Collection - Meio século de arte europeia e americana está distribuída por cinco núcleos e cinco espaços distintos do Museu de Serralves. (…)”

Saber mais! http://www.porto.pt/noticias/sonnabend-em-serralves

*******

E agora… bora lá às notícias!  Aqui umas tantas novidades culturais. ;)

Colecionador de rádios antigos fala do prazer de "os ver e de estar ao pé deles" http://www.tsf.pt/cultura/interior/colecionador-de-radios-antigos-fala-do-prazer-de-os-ver-e-de-estar-ao-pe-deles-5028086.html

“David Guia tem mais de 500 rádios. O mais antigo é de 1924 e está a funcionar. Para além de colecionador, também repara os aparelhos. Aprendeu quando era ainda uma criança. A TSF falou com este apaixonado por recetores no Dia Mundial da Rádio. (…)”

Uma viagem no tempo no “Central Park” do Porto https://www.publico.pt/culturaipsilon/noticia/uma-viagem-no-tempo-no-central-park-do-porto-1722836

“Continuamos a chamar-lhe Palácio de Cristal, mesmo se o dito palácio foi demolido há bem mais de meio século (1951). Mas é o imaginário desse edifício icónico inaugurado há 150 anos que se mantém na memória dos portuenses, na maior parte dos casos apenas sustentada na imagem de velhas fotografias e postais ilustrados, descoloridos mas mantendo a irresistível patine do tempo. A história do Palácio de Cristal está a ser recordada no Porto desde 18 de Setembro de 2015, dia em que se assinalou o século e meio da abertura da 1.ª Exposição Internacional Portuguesa (1865), iniciativa de um grupo de empresários e comerciantes da cidade liderado por Alfredo Allen. Depois de uma exposição iconográfica documental apresentada nos próprios jardins do Palácio, a Fundação de Serralves acolheu, nos dias 1 e 2 de Fevereiro, uma conferência internacional que permitiu situar a história do Palácio de Cristal no contexto das grandes exposições mundiais, entre a primeira realizada no Hyde Park de Londres, em 1851, e a Exposição Internacional das Artes e Técnicas na Vida Moderna, em Paris, em 1937 – as duas balizas sendo justificadas pela proximidade da primeira exposição portuguesa com a da capital inglesa, e também pelo facto de o evento da capital francesa ter sido planeado pelo arquitecto paisagista Jacques Gréber, o mesmo que desenhou os jardins de Serralves para o 2.º conde de Vizela. (…)”

Investigadores criam jogos para aprender com dispositivos inteligentes https://www.publico.pt/tecnologia/noticia/investigadores-criam-jogos-para-se-aprender-com-dispositivos-inteligentes-1723352

“Uma equipa multidisciplinar de investigadores de Coimbra desenvolveu jogos para se estudar literatura, história ou matemática, através de smartphones ou tablets, proporcionando uma aprendizagem “muito mais aliciante e interactiva”, anunciou a Universidade de Coimbra (UC), nesta segunda-feira. “A partir de um smartphone ou tablet, já é possível estudar Os Maias, através de um desafio semelhante ao concurso Quem Quer Ser Milionário e completar uma caderneta de cromos virtuais”, explica a nota à imprensa. Os jogos também permitem aprender história “durante uma aventura que implica ser jornalista”, resolver polinómios, para se “avançar nos níveis de um templo”, ou explicar “a evolução da comunicação humana com recurso a um extraterrestre”, exemplifica a UC. Desenvolvidos para serem utilizados em contexto escolar, a partir de dispositivos móveis, em diferentes níveis de ensino (2.º e 3.º ciclos do ensino básico, secundário e superior), os jogos foram previamente testados, “com sucesso, em estabelecimentos de ensino” das regiões Centro e Norte do país, (…)”

Deixar crianças de oito anos com tablets? Cuidado https://www.publico.pt/tecnologia/noticia/quando-criancas-brincam-com-tablets-1723069

“Quase 28% das crianças até aos 12 acedem à Net com smartphones As crianças já absorveram as regras para uma Internet mais segura, mas isso pode ser um problema Um jogo para criar empatia, outro para ensinar os pais E se os tablets estiverem a ser usados como chuchas? Tornou-se comum os pais emprestarem aparelhos tecnológicos aos filhos para os entreter e sossegar. O problema é que isto começa a acontecer cada vez mais cedo e os pais desconhecem os riscos. Duas investigadoras portuguesas, Patrícia Dias e Rita Brito, publicaram na passada terça-feira um estudo – coordenado em 18 países pelo Joint Research Centre da Comissão Europeia – sobre os hábitos de uso de tecnologias digitais por crianças com idades até aos oito anos. A data de lançamento deste relatório, a 9 de Fevereiro, não foi escolhida ao acaso: corresponde ao dia europeu Safer Internet Day (Dia para uma Internet mais segura), que incentiva pessoas a terem mais cuidados no uso que dão a esta ferramenta, sobretudo jovens. O trabalho das investigadoras representa o caso português. Neste relatório, abordam não só os hábitos das crianças e os riscos que estas correm, mas também analisam a atitude dos seus pais. A amostra estudada em cada país incluía dez famílias com crianças de 6 ou 7 anos de idade que utilizavam, pelo menos uma vez por semana, um dispositivo digital. A primeira conclusão a que Patrícia Dias, da Universidade Católica Portuguesa (UCP), e Rita Brito, do Instituto de Educação da Universidade de Lisboa (Unidade de Investigação e Desenvolvimento em Educação e Formação, UIDEF), chegaram é que é no YouTube que os jovens estão mais vulneráveis. No agregador de vídeos, mesmo que estes estejam a ver vídeos infantis, os perigos encontram-se nas sugestões que surgem ao lado destes, que incluem muitas vezes opções inapropriadas, como paródias ou imitações vulgares dos programas a que estão a assistir. (…)”

*****

No “Pergaminho” desta semana…

Ler é que é bom https://www.publico.pt/culturaipsilon/noticia/ler-e-que-e-bom-1722817

“A bela reportagem de Isabel Lucas – “Há livros que nos podem fazer mal?” – foi o texto mais lido do PÚBLICO online. O título recebe respostas gloriosamente contraditórias, entre as quais a mais inspiradora é “claro que sim”. Para ajudar a complicar o que não pode correr o risco de ser simples a minha amiga Manuela Correia, que conhece o amor e o poder dos livros diz, tanto como leitora, psiquiatra e pessoa inteligente, interessada em aproximar-se das múltiplas verdades, que “estamos perante uma excessiva psiquiatrização da sociedade”. Os livros, só por si, não podem fazer-nos mal nem bem. É a leitura que tem esse poder. Os livros são as coisas escritas que, caso sejam escritas por escritores que sabem escrever, são lidos compulsivamente por leitores. Falar em ler e livros é como distinguir o respirar do ar que se respira. Ler é uma casa aonde se volta, mais do que umas férias. É a vida que interrompe – e, conceda-se, ilumina – a leitura. Não é ao contrário, a não ser para os que não têm a sorte contra-solitária de precisar de ler para fugir à chatice da vida. Não são os livros que nos salvam. O que nos pode salvar é a necessidade física de ler –e de nos subtrairmos à tresloucada actividade iletrada de fazermos qualquer coisa. O que civiliza não são os escritores e muito menos os livros: são os leitores. Os livros só nos podem fazer mal ou bem se nós deixarmos. Quanto mais livros lermos, menos deixamos. É uma questão de quantidade.”

O lugar do telemóvel na sala de aula é em cima da mesa dos alunos https://www.publico.pt/sociedade/noticia/o-lugar-do-telemovel-na-sala-de-aula-e-em-cima-da-mesa-dos-alunos-1722843

“Os telemóveis nas mãos dos alunos do 6.ºA estão apontados às folhas que têm à sua frente. Olham para o ecrã, conferem a informação e regressam à ficha de trabalho a que estão a responder com o à-vontade de quem sabe que não está a fazer nada errado. A professora Maria João Passos segue-os atentamente e presta assistência quando a tecnologia não responde à velocidade desejada. Nas salas do agrupamento de escolas de Freixo, em Ponte de Lima, o lugar dos telefones e outros dispositivos móveis é em cima das mesas, resultado de um conjunto de projectos de integração das tecnologias na aprendizagem que a Microsoft considera exemplar, pelo quarto ano consecutivo. Esta é a aula de Matemática. Os alunos estão dispostos em grupos de quatro, em mesas redondas, onde também há computadores portáteis. Nos ecrãs tácteis, está aberta a ficha de trabalho que a professora preparou para esta manhã. Os exercícios podem ser resolvidos directamente no computador, com o auxílio de uma caneta apropriada. É então que se percebe o motivo para os telemóveis estarem também por perto: a solução para a ficha está inscrita em códigos QR (uma espécie de código de barras). Os alunos têm de usar uma aplicação nos seus telefones para ler os códigos, fazendo corresponder cada um aos resultados a que chegaram. “Normalmente os manuais têm a resolução no final e os alunos têm, muitas vezes, a tentação de ir procurá-las”, lembra Maria João Passos. Com este recurso, a chave também lá está, mas obriga a que o exercício seja realmente resolvido para que os estudantes consigam descobrir qual das respostas corresponde a cada um dos códigos. Por outro lado, habituam-se a utilizar a tecnologia em contexto de sala de aula. Os códigos QR e as fichas de trabalho resolvidas em ecrãs tácteis não são os únicos recursos tecnológicos da professora de Matemática. A docente da escola de Freixo disponibiliza frequentemente tutoriais sobre os conteúdos das aulas na Internet. “Muitas vezes, os próprios pais também vêem os vídeos, para os poderem ajudar a tirar dúvidas”, conta. Além disso, criou um grupo na rede social Yammer com todos os alunos das suas três turmas do 6.º ano. Chama-lhe “sala de estudo virtual” e serve para os estudantes colocarem questões, comentarem a matéria e trabalharem os conteúdos disponibilizados online. A professora é “um último recurso”, já que a ideia é que os estudantes sejam capazes de tirar dúvidas uns aos outros, num trabalho colaborativo feito a partir de casa. Por causa deste projecto usado para o ensino de Matemática, Maria João Passos foi considerada “especialista inovador em educação” pela Microsoft este ano. Na lista, há 3700 professores em todo o mundo, 57 dos quais são portugueses. Entre eles, há outros oito colegas no agrupamento de escolas de Freixo. O estabelecimento de ensino também está em destaque nas escolhas da multinacional de software, sendo considerada uma escola-modelo. É a quarta vez consecutiva que é distinguido. Este ano há outros seis representantes nacionais, dos quais apenas mais um pertence à rede pública, o agrupamento de escolas de Vila Nova de Cerveira. A escolha da Microsoft é um reconhecimento da aposta que a escola tem feito no uso das tecnologias, valoriza o director do agrupamento, Luís Fernandes, que, desde o Verão passado, também passou a integrar o conselho consultivo da multinacional para o sector educativo. É uma das dez pessoas a quem a gigante norte-americana recorre para pedir opiniões sobre a área da educação. “Por que motivo uma empresa que pode contratar os consultores que quiser vem a Portugal convidar o director de uma escola pública?”, atira em jeito de pergunta retórica, para rapidamente dar a resposta: “Devemos ter feito alguma coisa bem.” No agrupamento, os alunos do 3.º e 4.º anos têm, desde há dois anos, aulas de programação, onde aprendem linguagem como Scratch e Kodu. No 3.º ciclo podem também escolher uma disciplina de mecanismos e robótica, na qual trabalham com mecânica, electrónica e eletrotecnia. E depois há projectos específicos de cada professor, como o de Maria João Passos na Matemática do 6.º ano. Há muitos docentes que ainda seguem o método de ensino tradicional, até porque nesta escola “ninguém impõe nada a ninguém”, sublinha o director. Mas já há mais de uma dezena de professores a integrar as tecnologias nas suas aulas, num processo “crescente”. Existe um efeito de contágio, aponta Luís Fernandes. Os docentes acabam por aderir ao uso de computadores ou dispositivos móveis à medida que vão conhecendo as boas experiências dos colegas e há também pressão dos alunos nesse sentido, à medida que vão sabendo o que se passa nas aulas das outras turmas. A escola também promove encontros, acções de formação e outras ferramentas de apoio para incentivar os docentes a usarem a tecnologia. Aumentar A velocidade da Internet fornecida pela rede de banda larga instalada pelo Ministério da Educação não tem rapidez suficiente. Foi preciso comprar um dispositivo de Internet móvel 4G que roda de sala em sala A aproximação da escola de Freixo à tecnologia começou há oito anos, quando foram comprados dois kits para um clube de robótica. A reacção dos alunos foi “imediata e entusiástica”, lembra o director, ao ponto de aquele ter passado a ser o único clube escolar com lista de espera. Hoje, a robótica continua a ser uma das principais formas de contacto dos alunos com as inovações. Um antigo balneário, junto ao pavilhão desportivo, foi transformado num Fab Lab, um laboratório equipado com duas impressoras 3D, uma máquina de corte a laser e outros dispositivos para montagem de robôs como aquele que Luís Henrique, de 15 anos, apresenta: “É um robô de busca e salvamento. Nas provas, deve ir buscar a vítima (normalmente uma bola) e levá-la a um ponto determinado.” Foi este aluno do 9.º ano quem projectou o dispositivo para levar às competições nacionais de robótica, onde outros estudantes da escola já ganharam o título de campeões nacionais em anos anteriores. Luís Henrique começou a frequentar o laboratório há dois anos. Um professor falou-lhe da possibilidade e decidiu experimentar durante um par de semanas. Gostou tanto que agora passa ali “muitos dos tempos livres”, conseguiu uma autorização para levar algum do material para trabalhar em casa e descobriu o que quer fazer no futuro: “Seguir Engenharia Electrotécnica.” A aposta na tecnologia embate, porém, num problema também tecnológico. A velocidade da Internet fornecida pela rede de banda larga instalada pelo Ministério da Educação na escola não é suficientemente rápida para permitir um acesso eficaz aos conteúdos colocados na nuvem – ou seja, em servidores externos. Por isso, a escola de Freixo teve de comprar um dispositivo de Internet móvel 4G, que, quando é necessário, roda de sala em sala para resolver os problemas dos professores. “A velocidade que nos chega não nos permite fazer um trabalho do século XXI”, lamenta o director. Além disso, não faltam os problemas “que as outras escolas têm”, aponta Luís Fernandes. Há infiltrações nas paredes e nos tectos, piso com sinais de desgaste e um pavilhão desportivo a precisar de reforma – além de um contexto sócio-económico considerado difícil. O agrupamento tem 700 alunos, do pré-escolar ao 9.º ano, quando há cinco anos eram 1100 os estudantes inscritos. Esta redução não é apenas efeito da crise de natalidade que afecta quase todo o país, mas também dos problemas específicos desta população, particularmente afectada pela emigração. A escola situa-se numa zona rural, no sul do concelho de Ponte de Lima, praticamente à mesma distância da sede de concelho e de Braga – cerca de 15 quilómetros. Nas imediações não existem empresas capazes de criar postos de trabalho para muita gente, apenas indústrias de pequena dimensão e alguma agricultura, produção de vinho e pecuária. A escola é mesmo o maior empregador das freguesias que abarca. Isto coloca outros problemas: 70% dos alunos recebem apoios sociais e tornou-se necessário entregar um suplemento alimentar ao longo do dia a “boa parte” deles. Ainda assim, a “esmagadora maioria” tem acesso à Internet fora da escola. Quase todos têm pelo menos um computador, tablet ou telemóvel com acesso à rede, o que permite acederem aos conteúdos disponibilizados pelos professores a partir de casa. Tudo isto se conjuga nos resultados da escola nos exames do 9.º ano. No ranking de 2015, a escola estava em 265.º lugar, tendo subido 436 posições face ao ano anterior, mercê de uma média de 3,04 valores. O director tem consciência de que os resultados são “medianos” e é preciso “trabalhar mais” para os exames do fim de ciclo, mas sublinha o “longo caminho” percorrido: “No primeiro ano em que houve exames no 9.º ano, tivemos apenas 17% de positivas.” Existem ainda outros obstáculos. As escolas secundárias ou profissionais mais próximas estão a 15 e 20 quilómetros de distância (em Ponte de Lima ou Braga, mas também Barcelos ou Viana do Castelo em alguns casos). A maioria dos alunos segue para cursos profissionais e são ainda poucos os que chegam ao ensino superior. “É algo que demora tempo”, argumenta Luís Fernandes. “Uma certeza tenho: quando saem daqui, tiveram experiências que noutras situações não teriam e sabem que podem escolher.”.”

*****

Ao virar da página…

Já abriram as inscrições para a Corrida do Dia do Pai http://www.porto.pt/noticias/ja-abriram-as-inscricoes-para-a-corrida-do-dia-do-pai

“Já estão abertas as inscrições abertas para a 13.ª Corrida Dia Do Pai, uma competição que se realiza a 20 de março, e que integra duas provas: a corrida cronometrada de 10 km e a caminhada de sete km. A organização, a cargo da runporto, espera superar os 13 mil participantes que a corrida juntou em 2015. A partida e chegada está marcada para as 10 horas, no Queimódromo, no Parque da Cidade. Na edição do ano passado participaram 13 mil pessoas e foram angariados 6.500 euros para a construção de uma nova ala pediátrica no Hospital de S. João, causa solidária associada ao evento. A prova, no escalão feminino, foi vencida por Doroteia Peixoto, dos Amigos da Montanha e, no setor masculino, por Hélio Gomes, do S.L Benfica. +Info: Inscrições em Run Porto”

Porto eleito destino romântico http://www.porto.pt/noticias/porto-eleito-destino-romantico

“O Porto foi recentemente eleito como um dos destinos mais românticos da Europa na competição European Best Destinations (EBD) promovida pela European Consumers Choice, "organização sem fins lucrativos de consumidores e especialistas", com sede em Bruxelas, que "avalia produtos e serviços", além de realizar rankings turísticos. A cidade é enaltecida pelo seu encanto especial, local ideal para desfrutar de umas férias românticas, namorar, casar e passar uma lua-de-mel memorável. O Porto é descrito como um dos destinos turísticos mais antigos da Europa, onde é destacada a riqueza de monumentos e património artístico, o famoso vinho do Porto, as paisagens naturais, os magníficos espaços de lazer e a vida cultural na cidade. No site, pode ainda ler-se que, a qualquer hora do dia, 365 dias do ano, o Porto tem um encanto especial para quem o visita pela primeira vez, e, para aqueles que voltam novamente, acaba por ter sempre mais para descobrir, numa cidade que se se entende como moderna e genuína naquilo que apresenta. Segundo informação da organização, na votação estiveram envolvidos 10.208 viajantes que escolheram o Porto como um dos destinos mais românticos, entre outros locais da Europa.”

Sabia que?… 30 factos do mundo que provavelmente desconhecia

“O facto de Barack Obama ter acordado esta manhã é uma celebração histórica. Sabia disto? Conheça 30 factos do mundo inteiro que provavelmente desconhecia. Quando Barack Obama acordou na manhã de 28 de outubro de 2015 estava a fazer História: é que naquele dia passavam 18.967 dias desde que um presidente norte-americano não tinha morrido em funções na Casa Branca, o maior período que o país alguma vez atravessava sem ver o seu presidente a morrer. De entre toda a informação com que somos bombardeados diariamente, esta talvez lhe tenha passado ao lado. Esta e muitas outras: sabia que a aliança de casamento é posta no anelar esquerdo porque antigamente julgava-se que esse era o único dedo com uma veia diretamente ligada ao coração? E que os elefantes raramente sofrem de cancro porque o seu código genético funciona quase como um escudo natural? O Observador andou a vaguear na Internet e encontrou 30 factos que provavelmente desconhece sobre o mundo onde vive. Desde a História até à Ciência, passando por muitas outras áreas de conhecimento, explore connosco algumas das curiosidades mais impressionantes da vida na Terra. Todas as fontes de informação estão disponíveis na legenda das imagens.”

Veja aqui… http://observador.pt/2016/02/10/sabia-30-factos-do-mundo-provavelmente-nao-sabia/

Por aqui me fico… e claro, com o desejo de um fantástico ano de 2016!  Até ao próximo click! :)
publicado por Musikes às 10:36 link do post
mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
comentários recentes
Obrigado pelas suas palavras.Viverá para sempre na...
Para mim, a canção mais bonita cantada em lingua p...
Ola! ☺️Saudações Musikes! 🤗Claro que me lembro! Co...
Olá Pedro,Como estás? Eu sou a Alda, a colega que ...
è Natal, é Natal....As mais belas canções de Natal...
blogs SAPO