Em cada um reside a fonte da partilha, e seja ela um dom ou não, deixa-me semear no teu ser o prazer da Música. Ela tem inspirado o Homem no revelar o seu pensamento, o interpretar e sentir o Universo ao longo de milénios. Bem vindo!
31 de Março de 2021

GRANDES MÚSICAS… GRANDES ÉPOCAS!...

 

 

Séc. XIX - O Romantismo

(1810-1910)

 

Robert Schumann 5 and Clara Schumann at the piano (1).jpg

Robert Alexander Schumann

(1810-1856)

 

“(…) Depois de casados, a ligação entre Clara e Robert manteve-se intensa e profunda. Oito filhos e todos os problemas de uma família normal não impediram que os dois trabalhassem activamente: ele compondo e ela apresentando-se nos principais centros europeus. Devido à sua carreira de concertista, Clara gozava de muito maior renome do que ele. Tratado muitas vezes como "marido de Clara Wieck", isso chegou a causar-lhe um certo abalo, mas nunca a ponto de prejudicar o seu relacionamento.Como compositor, nos anos seguintes, Schumann mostrou o seu interesse em dominar outros géneros que não apenas o pianístico. Estimulado por Clara, Liszt e outros amigos, criou várias partituras para música de câmara, uma ópera (Genoveva), a música incidental para o Manfredo, de Byron, e para o Fausto, de Goethe, além de três sinfonias, o Concerto para Piano e Orquestra em lá Menor, e o Concerto para Violoncelo e Orquestra, entre outras obras. (…)” (https://www.rtp.pt/antena2/geral/robert-schumann_1908)

 

Robert Schumann: Ópera “Genoveva" - Abertura, , Op. 81 (1846-1848)

 

Robert Schumann: Ópera “Genoveva", , Op. 81 - Act. I (1846-1848)

 

Robert Schumann: Ópera “Genoveva", , Op. 81 - Act. II (1846-1848)

 

 

Robert Schumann: Der Rose Pilgerfahrt para Vozes solistas, Coro, e Orquestra, Op. 112 - No. 5 (1851)

 

Robert Schumann: Fantasiestücke para Clarinete (ou Violino, ou Violoncelo) e Piano, Opus 73. (1849)

 

Robert Schumann: Drei Romanzen para Oboé (ou Violino, ou Clarinete) e Piano, Opus 94. (1849)

 

Robert Schumann: Quarteto para Piano em Mi bemol maior, Opus 47. (1842)

 

Robert Schumann: Abertura e música incidental para Nanfred”

 

Robert Schumann: Concerto para Quatro Trompas e Orquestra

 

 

Fale comigo.

Também no Facebook!

publicado por Musikes às 07:29 link do post
24 de Abril de 2020

A dar continuidade a mais um grande compositor do séc. XIX - O Romantismo.

 

GRANDES MÚSICAS… GRANDES ÉPOCAS!...

 

 

Séc. XIX - O Romantismo

(1810-1910)

 

Modest Petrovich Mussorgsky

(1839-1881)

 

“(…) Entre 1863 e 1866 trabalhou na ópera «Salammbô», que nunca terminou. No entanto, por volta de 1866, o compositor atingiu a maturidade artística com a composição de uma série de canções sobre pessoas comuns consideradas notáveis, como «Hopak» ou «O Seminarista». No ano seguinte, compôs o poema sinfónico «Noite no Monte Calvo», que Balakirev recusou dirigir, tendo por isso nunca sido estreada enquanto Mussorgsky era vivo. Em 1868, deu início ao ciclo de canções, «O Berçário» e escreveu as primeiras cenas da ópera «O Casamento», baseada na peça de Gogol. Desta ópera só completou o primeiro acto.(…)” (https://knoow.net/arteseletras/musica/mussorgsky-modest/)

 

Modest Mussorgsky: "Gopak"

 

Modest Mussorgsky: “Uma noite no Monte Calvo” (versão original)

 

Modest Mussorgsky: Ópera “The Marriage”, Act. I (cena 3)

 

Modest Petrovich Mussorgsky: Tableaux d'une exposition: XV. La cabane sur des pattes de poules (Baba Yaga)

 

Modest Petrovich Mussorgsky: Tableaux d'une exposition: XVI. La grande porte dans la capitale de Kiev

 

 

Segue o Musikes em…

Facebook  Twitter  Padlet

publicado por Musikes às 08:05 link do post
25 de Janeiro de 2020

GRANDES MÚSICAS… GRANDES ÉPOCAS!...

 

 

Séc. XIX - O Romantismo

(1810-1910)

 

Georges Bizet

(1838-1875)

 

“(…) Em 1856, Bizet concorreu ao Prémio de Roma, mas nesse ano não foi atribuído, e depois disso, participou num concurso de ópera que Jacques Offenbach organizou para jovens compositores, e cujo desafio era compor uma ópera em um ato sobre o libreto de Le Docteur Miracle de Léon Battu e Ludovic Halévy. O prémio foi dividido entre Bizet e Charles Lecocq, sendo posteriormente criticado por Lecocq, que acusou o júri de ter sido manipulado por Fromental em favor de Bizet. Após uma votação secreta dos membros da Academia das Belas Artes, Bizet ganhou o Prémio de Roma em 1857, recebendo um financiamento por cinco anos. (…)” (http://www.rtp.pt/antena2/geral/georges-bizet_2702)

 

Georges Bizet: Ópera Poema Sinfónico Vasco da Gama - La marguerite a fermé sa corolle

 

Georges Bizet: Les pecheurs de perles: "Au fond du temple saint"

 

Georges Bizet: Minuet from L'Arlesienne Suite No. 1

 

 

Segue o Musikes em…

Facebook  Twitter  Padlet

publicado por Musikes às 08:23 link do post
12 de Maio de 2018

Longa a viagem… mas plena de descobertas.  Apenas “Grandes Músicas... Grandes Épocas...” do romantismo do século XIX.

 

Boas audições!

 

*****

 

GRANDES MÚSICAS… GRANDES ÉPOCAS!...

 

 

Séc. XIX - O Romantismo

(1810-1910)

 

Giuseppe Verdi

(1813-1901)

 

“(…) Desde 1861 a sua vida artística une-se à política. É eleito deputado ao primeiro Parlamento italiano em 1874 e será proclamado senador. Nesses anos compõe La forza del destino, Aida, e a Messa de Requiem, escrita pensando nas celebrações de Alessandro Manzoni. Incrivelmente, em 1887, e já com a idade de oitenta anos, compõe Otello, comparando-se com Shakespeare. Em 1993, com a ópera cómica Falstaff despediu-se do teatro em Sant'Agata. Morre em 27 de janeiro de 1901, no Hotel de Milão.” (http://www2.uol.com.br/spimagem/personalidades/historicas/giuseppe_verdi/index.htm)

 

Giuseppe Verdi: Falstaff, Act I: Ehi paggio!... L'onore! Ladri!

 

Giuseppe Verdi: Falstaff - ópera completa

 

Giuseppe Verdi: Messa da requiem: Dies irae

 

Giuseppe Verdi: Messa da requiem: Tuba mirum

 

Giuseppe Verdi: Messa da requiem: Ingemisco

 

Giuseppe Verdi: Otello, Act I: Fuoco di gioia

 

Giuseppe Verdi: Otello, Act IV: Mia madre aveva una povera ancella... Piangea cantando... Ave Maria

 

Giuseppe Verdi: Otello - ópera completa

 

Giuseppe Verdi: La forza del destino, Act I: Overture

 

Giuseppe Verdi: La forza del destino, Act IV: Pace, pace, mio Dio

 

Giuseppe Verdi: La forza del destino, Act III: Solenne in quest'ora

 

Giuseppe Verdi: La forza del destino - ópera completa

 

Giuseppe Verdi: Il Trovatore - Coro da zingari

 

Giuseppe Verdi: Il Trovatore - Coro de los soldados: Squilli, echeggi la tromba guerr iera

 

Giuseppe Verdi: Il Trovatore - Manrico: Ah so, ben mio

 

Giuseppe Verdi: Il Trovatore - ópera completa

 

***

 

Da próxima vez, avançaremos para mais uma página da História da Música Ocidental.

“Grandes Músicas... Grandes Épocas...” do romantismo do século XIX, é o que nos aguarda para ouvir, conhecer e partilhar!

 

Também no Facebook e Twitter.

Passa por lá!

 

Por isso!...

Não percas o próximo post… porque nós… também não!

publicado por Musikes às 12:29 link do post
02 de Maio de 2018

“La Traviata, Rigoletto, Nabucco, Aida e Otello, mas também Simon Bocanegra, Falstaff, Un ballo in maschera e La forza del destino. São das óperas mais famosas do mundo e são todas de Verdi, o compositor que dominou a produção lírica italiana na segunda metade do século XIX. Foi um criador para a voz, escrevendo um total de 28 óperas, mas também muitas obras corais, (…)  Quatro peças sacras são igualmente exemplos máximos da música sacra do Romantismo. (…)” (http://www.casadamusica.com/artistas-e-obras/compositores/v/verdi-giuseppe/#tab=0)

 

Boas audições!

 

*****

 

GRANDES MÚSICAS… GRANDES ÉPOCAS!...

 

 

Séc. XIX - O Romantismo

(1810-1910)

 

Giuseppe Verdi

(1813-1901)

 

“(…) Apresenta no La Scala de Milán a obra Oberto, obtendo um sucesso interessante. A morte imprevista da sua esposa Margherita em 1940 e sucessivamente dos seus filhos Virginia e Icilio marcaram-no para toda a sua vida. Profundamente entristecido, não se deprime e será nesse período que compõe uma ópera cómica chamada "Um dia de reinado" - Un giorno di regno, mas não tem êxito algum. Desiludido, Verdi pensa em abandonar a música para sempre, mas dois anos mais tarde, em 1842, obteria um grande sucesso com a sua obra Nabucco.

Durante os 10 anos seguintes, compõe 16 óperas, com uma média de uma em cada oito meses. Até que em março de 1853 compõe a Traviata. Este foi o período mais produtivo da sua vida. (…)” (http://www2.uol.com.br/spimagem/personalidades/historicas/giuseppe_verdi/index.htm)

 

Giuseppe Verdi: Un giorno di regno - Opera Overture

 

Giuseppe Verdi: Nabucco (ópera completa)

 

Giuseppe Verdi: La Traviata - Brindisi

 

Giuseppe Verdi: La Traviata - Di Provenza Il Mar, Il Sol

 

Giuseppe Verdi: La Traviata - Addio, Del Passato Bei Sogni

 

Giuseppe Verdi: La Traviata - Parigi, O Clara, Noi Lasceremo

 

Giuseppe Verdi: La Traviata - ópera completa

 

***

 

Eis-nos a iniciar mais uma página de “Grandes Músicas... Grandes Épocas...” do romantismo do século XIX.

 

Também no Facebook e Twitter.

Passa por lá!

 

Por isso!...

Não percas o próximo post… porque nós… também não!

publicado por Musikes às 12:35 link do post
27 de Abril de 2018

“A Orquestra Sinfônica atinge seu ápice, em quantidade e tipos de instrumentos. Os compositores dessa época pretendiam romper com o clássico, desestabilizando a música considerada por eles como ultrapassada. Promoveu, assim, a liberdade de forma, maior expressividade das emoções, dando uma ênfase maior na harmonia. Houve uma maior preocupação em consolidar uma Música Nacional, que valorizasse as lendas dos seus países, inspirando-se nas canções folclóricas.“ (https://www.infoescola.com/musica/periodos-da-historia-da-musica-ocidental/)

 

Boas audições!

 

*****

 

GRANDES MÚSICAS… GRANDES ÉPOCAS!...

 

 

Séc. XIX - O Romantismo

(1810-1910)

 

Giuseppe Verdi

(1813-1901)

 

“(…) A localidade de Busseto torna-se pequena para Verdi e em 1832 muda-se para Milão, onde se apresenta no Conservatório. Curiosamente, não é aceito porque ainda não tem a idade de admissão. Contudo, Verdi volta a tentar novamente, um pouco mais tarde. 

Em 1836 casa-se com Margherita, a filha de Barezzi. Em 1837 nasce a sua primeira filha Virgínia e um ano depois nasce Icilio. Entretanto, Verdi começa a desenvolver a sua carreira de compositor, orientada para o teatro e ópera. Este foi o motivo pelo qual se mudaram para Milão em fevereiro de 1839. (…)” (http://www2.uol.com.br/spimagem/personalidades/historicas/giuseppe_verdi/index.htm)

 

Giuseppe Verdi: Nabucco, Act III: Va, pensiero, "Chorus of Hebrew Slaves"

 

Giuseppe Verdi: Ernani: Ernani, Act I: Surta e la notte... Ernani, involami

 

Giuseppe Verdi: Macbeth, Act IV: Patria oppressa!, "Chorus of Scottish Exiles"

 

Giuseppe Verdi: Luisa Miller, Act II: Quando le sere al placido

 

Giuseppe Verdi: Un ballo di maschera, Act I: Di' tu se fedele

 

Giuseppe Verdi: I vespri siciliani: I Vespri Siciliani: Overture

 

Giuseppe Verdi: Ave Maria

 

***

 

Eis-nos a iniciar mais uma página de “Grandes Músicas... Grandes Épocas...” do romantismo do século XIX.

 

Também no Facebook e Twitter.

Passa por lá!

 

Por isso!...

Não percas o próximo post… porque nós… também não!

publicado por Musikes às 12:36 link do post
15 de Abril de 2018

Sem dúvida, Wagner um compositor do século XIX de a referenciar, e num apontamento breve, deixo aqui as principais obras.

 

Boas audições!

 

*****

 

“Só o que sonhamos é o que verdadeiramente somos, porque o mais, por estar realizado, pertence ao mundo e a toda a gente.” Fernando Pessoa

 

 

GRANDES MÚSICAS… GRANDES ÉPOCAS!...

 

 

Séc. XIX - O Romantismo

(1810-1910)

 

Richard Wagner

(1813-1883)

 

Richard Wagner: Das Rheingold, WWV 86a: Entry of the Gods at Walhall

 

Richard Wagner: The Valkyrie, WWV 86b, Act III: Ride of the Valkyries

 

Richard Wagner: The Valkyrie, WWV 86b, Act III: Leb' wohl (Wotan's Farewell and Magic Fire Music)

 

Richard Wagner: Lohengrin, WWV 75: Overture

 

Richard Wagner: Lohengrin, WWV 75, Act III: Treulich geführt (Prelude and Bride Chorus)

 

*****

 

As suas principais obras foram:

 

(1832) Die Hochzeit (O Casamento)

 

(1833) Die Feen (As Fadas)

 

(1836) Das Liebesverbot (A Proibição do Amor)

 

(1837) Rienzi, der Letzte der Tribunen (Rienzi, O Último dos Tribunos)

 

(1843) Der fliegende Holländer (O Navio Fantasma)

 

(1845) Tannhäuser

 

(1848) Lohengrin

 

(1859) Tristan und Isolde (Tristão e Isolda)

 

(1867) Die Meistersinger von Nürnberg(Os Mestres-Cantores de Nuremberga)

 

Tetralogia Der Ring des Nibelungen, composta por

 

* (1854) Das Rheingold (Ouro do Reno)

* (1856) Die Walküre (A Valquíria)

* (1871) Siegfried 

* (1874) Götterdämmerung (Crepúsculo dos Deuses)

 

(1882) Parsifal

 

****

 

Richard Wagner: Tannhäuser, WWV 70, Act II: Entrance of the Guests at Wartburg

 

Richard Wagner: Tannhäuser, WWV 70, Act II: Dich teure Halle grüß ich wieder (Elisabeth's Aria)

 

Richard Wagner: Tannhäuser, WWV 70, Act II: Beglückt darf nun dich, o Heimat, ich schauen (Pilgrim's Choir)

 

Richard Wagner: Tannhäuser, WWV 70, Act II: Allmächt'ge Jungfrau (Elisabeth's Prayer)

 

Richard Wagner: Tannhäuser, WWV 70, Act II: Wie Todesahnung (Wolfram's Song)

 

***

 

E a saga continua. No blog de “Grandes Músicas... Grandes Épocas...” do romantismo do século XIX.

Deixo aqui o convite, como que em jeito de introdução, a vires desfrutar de uma leitura e audição acerca de toda uma época que marcou profundamente toda a sociedade tal como a conhecemos hoje.

 

No Facebook e Twitter, em qualquer dispositivo.

Passa por lá!

 

Por isso!...

Não percas o próximo post… porque nós… também não!

publicado por Musikes às 12:39 link do post
subscrever feeds
mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
comentários recentes
Identifico-me totalmente com o argumento deste pos...
Obrigado pelas suas palavras.Viverá para sempre na...
Para mim, a canção mais bonita cantada em lingua p...
Ola! ☺️Saudações Musikes! 🤗Claro que me lembro! Co...
Olá Pedro,Como estás? Eu sou a Alda, a colega que ...
blogs SAPO