Em cada um reside a fonte da partilha, e seja ela um dom ou não, deixa-me semear no teu ser o prazer da Música. Ela tem inspirado o Homem no revelar o seu pensamento, o interpretar e sentir o Universo ao longo de milénios. Bem vindo!
13 de Junho de 2018

FITEI começa nesta terça com as artes do palco como fator de Empoderamento

 
Começa nesta terça-feira o 41.º FITEI - Festival Internacional de Teatro de Expressão Ibérica. Este ano subordinado aos Empoderamentos, o evento instala-se por dez dias, celebrando o teatro e as artes performativas em vários palcos da Frente Atlântica.

 

 
O Encontro de Abertura e o lançamento do "Livro dos Exílios Reais e Imaginários", publicação comemorativa dos primeiros 40 anos do festival, marcam amanhã às 16 horas, no Rivoli, o arranque desta 41.ª edição, que até 22 de junho ocupa salas do Porto, de Vila Nova de Gaia e Matosinhos, mas chega também a Felgueiras e Viana do Castelo.
 
Ao lançar o tema Empoderamentos, a organização do festival quer este ano "dar poder a quem normalmente não o tem: à mulher, às minorias étnicas, ao pobre, ao habitante do Sul da Europa, ao habitante do sul do mundo, ao indígena, e a muitos outros exemplos, que nos obrigam a refletir e a reequacionar a ideia de centro e de periferia, assim como a própria ideia de verticalidade hierárquica".
 
 
"Longe" de Raquel S, uma coprodução Noitardecer - Associação Cultural e Teatro Municipal do Porto, é a primeira estreia e o primeiro espetáculo do FITEI 2018, a levar à cena no auditório do Teatro Campo Alegre. "Tentar descrever uma cara com precisão", a cara de "uma pessoa que já não existe", é o exercício de pensamento, obsessão e memória protagonizado por Margarida Gonçalves.
 
 
Nesta terça o palco é também de "Caranguejo Overdrive", por Aquela Cia. (Brasil). Em estreia nacional no Rivoli, a peça conta a história de Cosme, ex-apanhador de caranguejos no mangue carioca da metade do século XIX.
 
"Mendoza" de Los Colochos (México); "A House in Asia" dos catalães Agrupación Señor Serrano; "Correo" da chilena Paula Aros Gho; "Altíssimo" do pernambucano Pedro Vilela; ou a residência "Yo Escribo. Vos Dibujás", do argentino Federico León, são alguns dos destaques internacionais. No que toca à produção nacional, pode mencionar-se, entre outras, propostas e estreias de Victor Hugo Pontes, Marco Martins, Sara Barros Leitão, Ana Luena, Raquel S. ou Diana de Sousa.
 
Conheça toda a programação no website do FITEI.
 
 

 

publicado por Musikes às 12:39 link do post
16 de Fevereiro de 2018

“No século 19, o sentimento nacionalista vai alimentar, em toda Europa, a busca de uma identidade própria, principalmente no campo da arte.

Foi justamente Richard Wagner quem contribuiu, em grande estilo, para a criação de uma identidade nacional alemã. (…)” (http://musicaclassica.folha.com.br/cds/09/contexto.html)

 

Eis aqui introduzido o mote para vires a conhecer, e sobretudo, a ouvires fluentemente a grandiosa obra musical do compositor Richard Wagner, um revolucionário artista do século XIX.

 

Boas audições!

 

*****

 

“Só o que sonhamos é o que verdadeiramente somos, porque o mais, por estar realizado, pertence ao mundo e a toda a gente.” Fernando Pessoa

 

 

GRANDES MÚSICAS… GRANDES ÉPOCAS!...

 

 

Séc. XIX - O Romantismo

(1810-1910)

 

Richard Wagner

(1813-1883)

 

“Richard Wagner (…) foi um compositor alemão que se tornou num dos expoentes máximos do período do Romantismo na história da música ocidental. Ficou essencialmente conhecido pelas suas óperas (ou "dramas musicais", como ele gostava de chamar) e pela criação do "Leitmotiv" (um tema musical associado a cada personagem).

Ele tentou criar a obra de arte total, juntando musica, teatro, poesia e arte visual numa só entidade. Desta busca intensa resultou a construção de uma casa especial em Bayreuth somente para a exibição dos seus dramas musicais. (…)

(…) Apesar de controverso e polémico devido às suas ideologias antissemitas, é considerado unanimemente como um dos principais compositores de todos os tempos. (…)” (https://www.letradamusica.net/richard-wagner/biografia-artista.html)

 

Richard Wagner - The ride of the Valkyries from "Die Walküre"

 

Richard Wagner - Das Liebesverbot - Overture (A Proibição do Amor)

 

Richard Wagner: Götterdämmerung (Crepúsculo dos Deuses

 

***

 

Eis-nos a iniciar mais uma página de “Grandes Músicas... Grandes Épocas...” do romantismo do século XIX.

 

Deixo aqui o convite, como que em jeito de introdução, a vires desfrutar de uma leitura e audição acerca de toda uma época que marcou profundamente toda a sociedade tal como a conhecemos hoje.

 

No Facebook e Twitter, em qualquer dispositivo.

Passa por lá!

 

Por isso!...

Não percas o próximo post… porque nós… também não!

publicado por Musikes às 12:39 link do post
subscrever feeds
mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
comentários recentes
Ola! ☺️Saudações Musikes! 🤗Claro que me lembro! Co...
Olá Pedro,Como estás? Eu sou a Alda, a colega que ...
è Natal, é Natal....As mais belas canções de Natal...
Quando estou triste, paro e medito...Quando estou ...
A música é, sem dúvida, o alimento da alma... das ...
blogs SAPO