Em cada um reside a fonte da partilha, e seja ela um dom ou não, deixa-me semear no teu ser o prazer da Música. Ela tem inspirado o Homem no revelar o seu pensamento, o interpretar e sentir o Universo ao longo de milénios. Bem vindo!
06 de Fevereiro de 2019

A ministra da Cultura anunciou esta quinta-feira, 31 de janeiro, em Mafra, que o Museu Nacional da Música vai ser instalado por inteiro no Palácio Nacional de Mafra, onde deve abrir ao público em 2021, alterando o modelo anunciado pelo seu antecessor.

 

Questionada pela agência Lusa, Graça Fonseca respondeu que “o Museu da Música não será dividido em dois espaços diferentes”, como anunciara o anterior ministro Luís Filipe Castro Mendes, e vai ser todo ele concentrado na ala norte do Palácio.

 

“O Museu Nacional da Música há 25 anos que está instalado numa estação do Metro, em Lisboa, e finalmente julgamos que encontrou o seu lugar em Mafra, pela fortíssima ligação à música”, salientou a governante.

 

A ministra da Cultura falava aos jornalistas no fim da assinatura de um acordo de parceria entre o Município de Mafra e a Direção-Geral do Património Cultural, para a instalação do Museu Nacional da Música em Mafra, no distrito de Lisboa.

O investimento é de três milhões de euros, sendo um milhão de euros financiados pela autarquia.

A ministra da Cultura afirmou que a transferência do museu para Mafra “faz todo o sentido”, pela ligação histórica de Mafra à música, pela necessidade de descentralizar a Cultura e pelas sinergias que aí podem ser criadas, “complementando” a oferta cultural do monumento, composto por seis órgãos históricos e por uma das bibliotecas mais ricas do país.

Graça Fonseca explicou que o projeto vai ser desenvolvido durante este ano, e espera que em “2020 seja possível começar a obra para, até ao início de 2021”, abrir o museu ao público naquela vila.

 

O presidente da câmara, Hélder Sousa Silva, lançou o repto à governante para, à semelhança de outras parcerias com o Governo, ser o município a elaborar o projeto, lançar o concurso público e fiscalizar as obras.

Graça Fonseca aceitou a parceria, para a qual vai ser necessário estabelecer um novo acordo.

“A instalação do Museu Nacional da Música representa uma oportunidade para inscrever este território na dinâmica do turismo cultural”, sublinhou o autarca.

 

A mudança para Mafra, a 40 quilómetros de Lisboa, tem sido alvo de críticas de diferentes setores.

O Museu, atualmente instalado na estação de Metropolitano do Alto dos Moinhos, em Lisboa, tem uma das mais ricas coleções da Europa de instrumentos musicais, com um acervo composto por mil instrumentos dos séculos XVI ao XX, de tradição erudita e popular.

Fazem também parte do museu vários espólios documentais, e coleções fonográficas e iconográficas do maior relevo.

Entre os instrumentos classificados como Tesouro Nacional estão os cravos Taskin, de 1782, recentemente restaurado, e o Antunes, de 1758.

O piano Boisselot, que o compositor e pianista Franz Liszt trouxe a Lisboa, em 1845, e o violoncelo de Antonio Stradivari, que pertenceu ao rei D. Luís, são outros tesouros do museu.

O violoncelo de Henry Lockey Hill, de Guilhermina Suggia, os violinos e violoncelos de Joaquim José Galrão, os clavicórdios setecentistas das oficinas lisboetas e portuenses são outros destaques da coleção, assim os raros cornes ingleses Grenser e Grundman & Floth, do final do século XVIII, e as flautas de Ernesto Frederico Haupt, de meados do século XIX, que são exemplares únicos.

 

 

Facebook  Twitter  Padlet  Email

publicado por Musikes às 12:58 link do post
31 de Janeiro de 2019

Para todo o ano na Fundação de Serralves.
Boa cultura a não perder na invicta!
 
 

Joana Vasconcelos, Olafur Eliasson, Pedro Cabrita Reis e (finalmente!) a abertura da Casa do Cinema Manoel de Oliveira vão marcar este ano muito especial na vida de Serralves – assinalam-se os 20 anos do Museu e 30 da Fundação. Ainda não foi anunciado quem será o sucessor de João Ribas, ex-diretor do Museu.

 

A exposição Joana Vasconcelos: I’m Your Mirror inaugura no Museu de Serralves no dia 14 de fevereiro
 

O regresso de Joana Vasconcelos 

 

Do Museu Guggenheim de Bilbao chega a exposição Joana Vasconcelos: I’m Your Mirror, primeira antológica da artista, cujo título é uma homenagem a Nico, a cantora alemã celebrizada pela música I'll be your mirror, escrita por Lou Reed e interpretada pela banda norte-americana Velvet Underground. (…) Tal como em Bilbao, também em Serralves as obras de Joana Vasconcelos serão adaptadas à escala das galerias do museu, de modo a receber a artista portuguesa que aqui expôs em 2000. Depois de Serralves, a exposição seguirá para o Kunstahl Rotterdam, em Roterdão, na Holanda. 14 fev-final de junho

 


Casa do Cinema Manoel de Oliveira

 

Apontada para o primeiro semestre deste ano (abril é a data prevista), a inauguração da Casa do Cinema Manoel de Oliveira (CCMO), projeto de Álvaro Siza que recuperou as antigas garagens do Conde de Vizela, , é um dos pontos fortes da programação deste ano. Além de uma exposição permanente dedicada ao realizador português, falecido em 2015, a CCMO terá uma sala de cinema com programação regular, duas salas de exposições (uma temporária, outra permanente), a guarda do acervo documental de Manoel de Oliveira (depositado em Serralves em 2013 e que se encontra a ser tratado), e salas de serviço educativo. (…)

 

Coleção de Serralves

 

A celebração dos 30 anos da Fundação de Serralves e dos 20 anos do Museu de Serralves servirá para mostrar “as obras que foram sendo adquiridas ao longo destas três décadas”, revelou Marta Moreira de Almeida, diretora interina do museu. A primeira exposição será a da artista norte-americana Susan Hiller (a partir de 28 fevereiro), que esteve em Serralves, em 2005, que ali apresentará a instalação interativa Os Pensamentos São Livres – a partir de uma jukebox, o publico pode escutar 100 canções de teor político colecionados pela artista. De volta ao museu, 15 anos depois, estará também Paula Rego, numa exposição monográfica com obras da artista no núcleo da Coleção realizadas desde os anos 60 até à atualidade (a partir do outono, até 2020). Durante o verão (entre julho e setembro), a exposição Celebrar a Coleção, Serralves 1989-2019 assinala também os aniversários do ano.

 
São estas apenas algumas das propostas de Serralves. E claro que hámais!
 
 
publicado por Musikes às 12:41 link do post
22 de Janeiro de 2019

Mais de 3 mil peças, como os Painéis de São Vicente, que são a maior digitalização feita pela Google, "com mais de 140 mil milhões de píxeis", ficaram disponíveis online numa parceria com o Estado.

 


“Somos a primeira geração que consegue preservar na íntegra o património”, disse esta terça-feira Bernardo Correia, diretor para Portugal da Google. A afirmação foi feita no antigo museu dos Coches, em Lisboa, no evento de lançamento de mais de três mil obras património cultural português digitalizados no Google Arts & Culture. O trabalho vindo a ser desenvolvido desde 2017 numa parceria entre o Estado português e a empresa tecnológica americana.

 

A ferramenta da Google, que também está disponível numa aplicação para smartphones, deixa qualquer pessoa aceder digitalmente — podendo utilizar-se funcionalidades de realidade virtual e aumentada — a obras de arte de todo o mundo. “A tecnologia e a forma como a Google Arts trabalha permite preservar obras de arte e prevenir acidentes que aconteceram [para proteger o património, como no Museu no Brasil]”, referiu a ministra da Cultura Graça Fonseca, que esteve presente no evento devido à colaboração do ministério da Cultura para concretizar esta iniciativa.

 

Leia mais!
publicado por Musikes às 18:43 link do post
subscrever feeds
mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
comentários recentes
Ola! ☺️Saudações Musikes! 🤗Claro que me lembro! Co...
Olá Pedro,Como estás? Eu sou a Alda, a colega que ...
è Natal, é Natal....As mais belas canções de Natal...
Quando estou triste, paro e medito...Quando estou ...
A música é, sem dúvida, o alimento da alma... das ...
blogs SAPO