Em cada um reside a fonte da partilha, e seja ela um dom ou não, deixa-me semear no teu ser o prazer da Música. Ela tem inspirado o Homem no revelar o seu pensamento, o interpretar e sentir o Universo ao longo de milénios. Bem vindo!
03 de Março de 2018

“Wagner lutou arduamente contra a ópera italiana tradicional. Em sua obra, deu maior destaque à orquestra, escreveu textos de extrema qualidade e introduziu o leitmotiv --pequeno tema que identifica musicalmente situações, personagens e sentimentos--, usado pela primeira vez na ópera Lohengrin (1848). Como temas, adotou a mitologia germânica e escandinava. (…)” (http://musicaclassica.folha.com.br/cds/09/contexto.html)

 

Ora, vamos lá a dar mais um passo na direcção de ainda conhecermos muito mais da vida e obra, e sobretudo, a ouvires fluentemente a grandiosa obra musical do compositor Richard Wagner, um revolucionário artista do século XIX.

 

Boas audições!

 

*****

 

“Só o que sonhamos é o que verdadeiramente somos, porque o mais, por estar realizado, pertence ao mundo e a toda a gente.” Fernando Pessoa

 

 

GRANDES MÚSICAS… GRANDES ÉPOCAS!...

 

 

Séc. XIX - O Romantismo

(1810-1910)

 

Richard Wagner

(1813-1883)

 

“Ele foi compositor, poeta, dramaturgo e ensaísta. Richard Wagner, o inventor de um novo estilo de ópera, promoveu uma revolução musical em seu tempo, criou uma identidade coletiva e influenciou músicos de todos os períodos.

 

Wagner nasceu em 1813 em Leipzig, no leste da Alemanha. Desde criança tomou gosto pelas artes. Além da música, apreciava o teatro e a literatura, artes que o acompanharam por toda a vida. Autoditada, começou a estudar piano e contraponto aos 11 anos. (…)” (http://musicaclassica.folha.com.br/cds/09/biografia.html)

 

Richard Wagner: Abertura Coup de timbale, em si bémol maior (PaukenschlagAbertura)

 

richard Wagner: Eine Sonate für das Album von Frau M.W., WWV 85

 

Richard Wagner: Piano Sonata in A Major, WWV 26, Op. 4 ‘'Große Sonate’': I. Allegro con moto (1º and.)

 

Richard Wagner: Piano Sonata in A Major, WWV 26, Op. 4 ‘'Große Sonate’': II. Adagio molto, e assai espressivo (2º and.)

 

Richard Wagner: Piano Sonata in A Major, WWV 26, Op. 4 ‘'Große Sonate’': III. Maestoso -– Allegro molto (3º and.)

 

Richard Wagner: Lied: Adieux de Marie Stuart

 

Richard Wagner: Lied: Attente

 

Richard Wagner: Lied: Der Tannenbaum

 

 ***

 

Longa a viagem… mas plena de descobertas.  Apenas “Grandes Músicas... Grandes Épocas...” do romantismo do século XIX.

 

Deixo aqui o convite, como que em jeito de introdução, a vires desfrutar de uma leitura e audição acerca de toda uma época que marcou profundamente toda a sociedade tal como a conhecemos hoje.

 

No Facebook e Twitter, em qualquer dispositivo.

Passa por lá!

 

Por isso!...

Não percas o próximo post… porque nós… também não!

publicado por Musikes às 12:40 link do post
21 de Fevereiro de 2018

Introduzido no post anterior, aqui renovo o desafio de vires a conhecer, e sobretudo, a ouvires fluentemente a grandiosa obra musical do compositor Richard Wagner, um revolucionário artista do século XIX.

 

Boas audições!

 

*****

 

“Só o que sonhamos é o que verdadeiramente somos, porque o mais, por estar realizado, pertence ao mundo e a toda a gente.” Fernando Pessoa

 

 

GRANDES MÚSICAS… GRANDES ÉPOCAS!...

 

 

Séc. XIX - O Romantismo

(1810-1910)

 

Richard Wagner

(1813-1883)

 

“(…) Revolucionário na arte, Wagner influenciou grandemente a sociedade alemã

Nascido em Leipzig no dia 22 de maio de 1813, Wagner faleceu em Veneza em 13 de fevereiro de 1883. Seu empenho era no sentido de renovar a ópera tradicional pela introdução da chamada “melodia contínua” e do leitmotiv (motivo condutor). O projeto foi acompanhado pelas concepções filosóficas do autor, fundadas na admiração pelo mitos do drama grego e na força irracional da música, que haveriam de resultar em uma nova arte alemã. (…)” (https://www.sul21.com.br/jornal/os-200-anos-do-genial-e-ainda-polemico-richard-wagner/)

 

Richard Wagner: Der Fliegende Holländer - Overture (Wagner Ouvertures et préludes)

 

Richard Wagner: Lohengrin - Act 1: Prelude (Wagner Ouvertures et préludes)

 

Richard Wagner: Die Meistersinger Von Nürnberg - Prelude (Wagner Ouvertures et préludes)

 

Richard Parsifal, prélude (Wagner Ouvertures et préludes)

 

Richard Wagner: Tannhäuser - Overture (Wagner Ouvertures et préludes)

 

Richard Wagner: Das Liebesverbot, opera (or Die Novize von Palermo), WWV 38: Overture (Wagner: Famous Overtures)

 

***

 

Iniciada mais uma página de “Grandes Músicas... Grandes Épocas...” do romantismo do século XIX, os meus parabéns por teres aceite o desafio..

 

No Facebook e Twitter, em qualquer dispositivo.

Passa por lá!

 

Por isso!...

Não percas o próximo post… porque nós… também não!

publicado por Musikes às 12:25 link do post
28 de Dezembro de 2017

“Eu sei que não sou nada e que talvez nunca tenha tudo. Aparte isso, eu tenho em mim todos os sonhos do mundo.” Fernando Pessoa

 

 

GRANDES MÚSICAS… GRANDES ÉPOCAS!...

 

 

Looney Tunes: Bah, Humduck! a Looney Tunes Christmas

 

Segundo estudos, a data de 25 de dezembro não é a data real do nascimento de Jesus. A Igreja entendeu que devia cristianizar as festividades pagãs que os vários povos celebravam por altura do solstício de Inverno.

 

Christmas of Kenny Gee

 

Silent Night – Gospel

 

*****

 

Portanto, segundo certos eruditos, o dia 25 de dezembro foi adotado para que a data coincidisse com a festividade romana dedicada ao "nascimento do deus sol invencível", que comemorava o solstício do Inverno. No mundo romano, a Saturnália, festividade em honra ao deus Saturno, era comemorada de 17 a 22 de dezembro; era um período de alegria e troca de presentes. O dia 25 de dezembro era tido também como o do nascimento do misterioso deus persa Mitra, o Sol da Virtude.

 

Fal-la-la It's Christmas Time

 

Cantar as Janeiras - José Afonso

 

*****

 

Assim, em vez de proibir as festividades pagãs, forneceu-lhes simbolismos cristãos e uma nova linguagem cristã. As alusões dos padres da igreja ao simbolismo de Cristo como "o sol de justiça" (Malaquias 4:2) e a "luz do mundo" (João 8:12) expressam o sincretismo religioso.

As evidências confirmam que, num esforço de converter pagãos, os líderes religiosos adotaram a festa que era celebrada pelos romanos, o "nascimento do deus sol invencível" (Natalis Invistis Solis), e tentaram fazê-la parecer “cristã”. Para certas correntes místicas como o Gnosticismo, a data é perfeitamente adequada para simbolizar o Natal, por considerarem que o sol é a morada do Cristo Cósmico. Segundo esse princípio, em tese, o Natal do hemisfério sul deveria ser celebrado em junho.

 

Avé Maria (voz e violino)

 

White Christmas, Part 2

 

Joy to the World (BPI - Classical Colection)

 

***

 

A musicalidade mágica do Natal inspira-nos, enche-nos o coração  por tão belas melodias.

Na azáfama da preparação de todos os presentes, o Pai Natal por esta altura não descansa, e o Musikes também não. J

 

Por isso!...

Não percas o próximo post… porque nós… também não!!!

publicado por Musikes às 12:47 link do post
mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
comentários recentes
Ola! ☺️Saudações Musikes! 🤗Claro que me lembro! Co...
Olá Pedro,Como estás? Eu sou a Alda, a colega que ...
è Natal, é Natal....As mais belas canções de Natal...
Quando estou triste, paro e medito...Quando estou ...
A música é, sem dúvida, o alimento da alma... das ...
blogs SAPO