Em cada um reside a fonte da partilha, e seja ela um dom ou não, deixa-me semear no teu ser o prazer da Música. Ela tem inspirado o Homem no revelar o seu pensamento, o interpretar e sentir o Universo ao longo de milénios. Bem vindo!
09 de Dezembro de 2020

GRANDES MÚSICAS… GRANDES ÉPOCAS!...

 

 

Séc. XIX - O Romantismo

(1810-1910)

 

4. edvard grieg ao piano (1).jpg

Edvard Grieg

(1843-1907)

 

“(…) Mesmo com apenas um pulmão, devido a uma pleurite (tipo de tuberculose) desenvolvida na época do conservatório, Grieg dedicou muito tempo às viagens e recebeu aplausos das maiores metrópoles musicais, como Leipzig, Praga, Berlim, Londres e Paris. Além de famoso, ficou relativamente rico. (…)” (https://musicaclassica.folha.com.br/cds/22/biografia-3.html)

 

Edvard Grieg: Sonata No. 3 in C Minor for Violin and Piano, Op. 45: I. Allegro molto ed appassionato

 

Edvard Grieg: Sonata No. 3 in C Minor for Violin and Piano, Op. 45: II. Allegretto espressivo alla romanza

 

Edvard Grieg: Six Poems by Henrik Ibsen, Op. 25: I. Spillemaend (Fiddlers)

 

Edvard Grieg: Six Poems by Henrik Ibsen, Op. 25: II. En Svane (A Swan)

 

Edvard Grieg: Six Poems by Henrik Ibsen, Op. 25: III. Stambogsrim (Album Lines)

 

Edvard Grieg: Slåtter (Norwegian Peasant Dances), Op. 72: Haugelåt (Tune from the Fairy Hill)

 

 

Fale comigo.

Também no Facebook!

 

publicado por Musikes às 07:28 link do post
06 de Fevereiro de 2020

GRANDES MÚSICAS… GRANDES ÉPOCAS!...

 

 

Séc. XIX - O Romantismo

(1810-1910)

 

Georges Bizet

(1838-1875)

 

“(…) Ao receber notícias de que a sua mãe estava doente, Bizet deixou Roma e voltou a Paris. Nessa altura sentia-se financeiramente seguro, o que de alguma forma o fez ignorar as dificuldades por que passavam outros compositores.

Os dois teatros de Ópera, a Ópera Nacional de Paris e a Ópera Cómica, apresentavam repertórios tradicionais que sufocavam os novos talentos que chegavam à capital francesa. Apesar dos compositores franceses estarem 

mais presentes na programação dos teatros líricos, o estilo e o caráter das produções permanecia inalterado desde a década de 1830. Os pequenos teatros apresentavam operetas, onde Offenbach era fundamental, e o Teatro Italiano, claro, só apresentava óperas italianas. Restava, como perspetiva para os novos compositores de ópera, a Companhia do Teatro Lírico, que apesar das crises financeiras se manteve ativa sob a direção de Léon Carvalho. (…)” (http://www.rtp.pt/antena2/geral/georges-bizet_2702)

 

Georges Bizet: Farandole from L'Arlesienne Suite No. 2

 

Georges Bizet: Berceuse from Jeux d'enfants

 

Georges Bizet: Galop from Jeux d'enfants

 

Georges Bizet: Danse bohemienne

 

 

Segue o Musikes em…

Facebook  Twitter  Padlet

publicado por Musikes às 08:49 link do post
19 de Janeiro de 2020

A abrir mais um volume da História da Música Ocidental.

 

GRANDES MÚSICAS… GRANDES ÉPOCAS!...

 

 

Séc. XIX - O Romantismo

(1810-1910)

 

Georges Bizet

(1838-1875)

 

“Bizet nasceu em Paris em outubro de 1838. Foi registado como Alexandre César Léopold, mas batizado como "Georges", nome pelo qual foi conhecido. 

O pai, era barbeiro antes de se tornar professor de canto, a mãe, pianista. Georges mostrou desde cedo a sua aptidão para a música, ao receber as primeiras lições de piano da mãe. Entrou para o Conservatório em outubro de 1848, duas semanas antes de completar 10 anos, a idade mínima exigida. (…) (http://www.rtp.pt/antena2/geral/georges-bizet_2702)

 

Georges Bizet - Symphony in C Major (1855)

 

Georges Bizet: Don Procopio - Entr'acte

 

Georges Bizet: Te Deum

 

 

Segue o Musikes em…

Facebook  Twitter  Padlet

publicado por Musikes às 08:37 link do post
07 de Setembro de 2019

GRANDES MÚSICAS… GRANDES ÉPOCAS!...

 

 

Séc. XIX - O Romantismo

(1810-1910)

 

Camille Saint-Saëns

(1835-1921)

 

“(…) Por outro lado, com sua atividade pedagógica, exerceu grande influência em outros destacados compositores, como Gabriel Fauré e Maurice Ravel. Atualmente, de suas 13 óperas, Sansão e Dalila continua sendo representada com muita freqüência. Esta ópera estreou em Weimar, em 1877, sob a direção do maestro Franz Liszt, grande admirador e protetor de Saint-Saëns. A influência de Liszt na obra de Saint-Saëns é nítida, por exemplo, no poema sinfônico Dança Macabra (1874). Uma das obras mais populares e apreciadas de Saint-Saëns é O Carnaval dos Animais (1886), uma suíte para orquestra com dois pianos.” (https://educacao.uol.com.br/biografias/camille-saint-saens.htm)

 

Camille Saint-Saens: Septuor Trp Quint & Pn Mi Bem Maj/Allegro (1º and.)

 

Camille Saint-Saens: Septuor Trp Quint & Pn Mi Bem Maj/Tempo (2º and.) Mvt)

 

Camille Saint-Saens: Septuor Trp Quint & Pn Mi Bem Maj/Andante(3º and.)

 

Camille Saint-Saens: Septuor Trp Quint & Pn Mi Bem Maj/Allegro(4º and.)

 

 

Segue o Musikes no...

Facebook  Twitter  Padlet

publicado por Musikes às 10:42 link do post
23 de Junho de 2018

GRANDES MÚSICAS… GRANDES ÉPOCAS!...

 

 

Séc. XIX - O Romantismo

(1810-1910)

 

Anton Bruckner

(1824-1896)

 

“(…) Outra aproximação com Bach: o órgão, que ele começou a tocar aos 14 anos, e em que seria o maior improvisador do seu tempo (visitas memoráveis a Londres e a Paris confirmaram essa opinião). O primeiro momento importante na sua trajetória de criador é um Réquiem em ré menor escrito em 1849. Haydn e Mozart ainda são os seus modelos - em especial o Réquiem de Mozart. Mas já se vê, ali, uma gravidade, uma majestade que anunciam o Bruckner maduro. E sente-se muitas vezes o órgão por trás da sua música instrumental. Como escreveu o seu biógrafo Gollerich,

a estatura posterior de Bruckner como sinfonista só pode ser plenamente compreendida se voltarmos a essa época de crescimento e amadurecimento no grande órgão de Sankt Florian. (…)” (http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-40142010000200025)

 

Anton Bruckner: Symphony No. 6 in A Major, WAB 106: I. Majestoso (1º and.)

 

Anton Bruckner: Symphony No. 6 in A Major, WAB 106: II. Adagio - Sehr feierlich (2º and.)

 

Anton Bruckner: Symphony No. 6 in A Major, WAB 106: III. Scherzo - Nicht schnell (3º and.)

 

Anton Bruckner: Symphony No. 6 in A Major, WAB 106: IV. Finale - Bewegt, doch nicht zu schnell (4º and.)

 

***

 

“Grandes Músicas... Grandes Épocas...” do romantismo do século XIX, é o que nos aguarda para ouvir, conhecer e partilhar!

 

Também no Facebook e Twitter.

Passa por lá!

 

Por isso!...

Não percas o próximo post… porque nós… também

 

publicado por Musikes às 12:27 link do post
07 de Maio de 2018

Quase a terminar mias este capítulo da História da Música Ocidental.

Grandiosa e marcante é toda a obra de Giuseppe Verdi, e portanto, ainda há muito mais a escutares deste compositor do século XIX.

 

Boas audições!

 

*****

 

GRANDES MÚSICAS… GRANDES ÉPOCAS!...

 

 

Séc. XIX - O Romantismo

(1810-1910)

 

Giuseppe Verdi

(1813-1901)

 

“(…) Sempre nesse período, consolidará a sua relação com a soprano Giuseppina Strepponi.

Em 1847 viaja entre Paris e Londres para representar o seu grande êxito I masnadieri . 

Em 1948 muda-se para Paris, onde vive com Strepponi. A veia criativa é muito fecunda, a tal ponto que de 1851 até 1853 compõe a célebre "Trilogia popolare". Famosa pelos três títulos fundamentais que a compõem: Rigoletto, Trovatore e Traviata, aos quais se junta I vespri siciliani. O êxito deste trabalho é enorme. Verdi alcança uma grande fama. Muda-se com Strepponi para Sant'Agata em Busseto, donde passará grande parte do seu tempo. Em 1857 apresenta Simon Boccanegra e em 1859 Um ballo in Maschera. Nesse mesmo ano casaria com Giuseppina Strepponi. (…)” (http://www2.uol.com.br/spimagem/personalidades/historicas/giuseppe_verdi/index.htm)

 

Giuseppe Verdi: Aida - Radamés: Celeste Aida

 

Giuseppe Verdi: Aida - Coro: Gloria all' Egitto

 

Giuseppe Verdi: Aida - Marcha triunfal-Musica de ballet

 

Giuseppe Verdi: Aida - Coro: Vieni, o guerriero vindice

 

Giuseppe Verdi: Aida - Radamés, Aida: O terra, addio

 

Giuseppe Verdi: Aïda - ópera  completa - Luciano Pavarotti

 

Giuseppe Verdi: Rigoletto - Duque: Questa a quella

 

Giuseppe Verdi: Rigoletto - Gilda, Duque: Giovanna, ho dei rimorsi

 

Giuseppe Verdi: Rigoletto - Duque: E il sol dell' anima

 

Giuseppe Verdi: Rigoletto - Duque, Gilda: Addio-Caro nome che il mio cor

 

Giuseppe Verdi: Rigoletto - La Donna È Mobile

 

Giuseppe Verdi: Rigoletto - Duque: Bella figlia dell' amore

 

Giuseppe Verdi: Il poveretto

 

Giuseppe Verdi: Rigoletto - Gilda, Rigoletto: Lasso in celo

 

Giuseppe Verdi: La seduzione

 

Giuseppe Verdi: Brindisi (1st Version)

 

***

 

Eis-nos a iniciar mais uma página de “Grandes Músicas... Grandes Épocas...” do romantismo do século XIX.

 

Também no Facebook e Twitter.

Passa por lá!

 

Por isso!...

Não percas o próximo post… porque nós… também não!

 

publicado por Musikes às 12:41 link do post
30 de Outubro de 2017

Eis-nos terminado mais uma jornada musical.

Muita música a ouvir, e claro, um legado tão vasto como o de Chopin, difícil será incluir aqui todas as peças que compôs.

Deixo-te aqui uma seleção que, embora modesta e breve, engloba grande parte da  sua obra.

 

Frédéric Chopin é, sem dúvida alguma, uma referecia para os pianistas e compositores da sua época. A sua expressividade, delicadeza poética incutida  nas suas peças, viriam a apontar o caminho para o desenvolvimento de novas formas de explorar esse magnífico instrumento - o piano.

 

Boas audições!

 

*****

 

“Só o que sonhamos é o que verdadeiramente somos, porque o mais, por estar realizado, pertence ao mundo e a toda a gente.” Fernando Pessoa

 

 

GRANDES MÚSICAS… GRANDES ÉPOCAS!...

 

 

Séc. XIX - O Romantismo

(1810-1910)

 

“(…) A sua técnica, o seu estilo, a sua perfeição fizeram dele um dos maiores compositores da história.

O jovem Chopin era aclamado na sua aldeia natal como uma criança prodígio. Aos 20 anos deixou a Polônia para sempre, vivendo o resto da sua vida em Paris, onde fez carreira como interprete, professor e compositor.

Toda a sua obra inclui o piano, predominantemente com instrumento solista. Chopin introduziu novas formas musicais, inovações significativas, construiu a base principal do romantismo, e além disso foi o primeiro compositor ocidental a incluir elementos da música étnica tradicional nas suas composições. (…)" (http://www.portalsaofrancisco.com.br/biografias/frederic-chopin)

 

Frédéric Chopin: Etude Nº 7 In C Sharp, Op. 25

 

Frédéric Chopin: Etude Nº 12 In C Minor, Op. 10

 

Frédéric Chopin: Etude Nº 3 In E, Op. 10

 

Frédéric Chopin: Etude Nº 2 In F Minor, Op. 25

 

Frédéric Chopin: Prelude Nº 2 In A Minor, Op. 28

 

Frédéric Chopin: Prelude Nº 9 In E, Op. 28

 

Frédéric Chopin: Polonaise Nº 3 In A Major, Op. 40

 

Frédéric Chopin: Polonaise Nº 6 In A Flat major, Op. 53

 

*****

 

“(…) Os historiadores polacos, tentaram de todas as formas encontrar raízes eslavas para a sua grande glória nacional, no entanto, o maior músico da Polônia era mesmo filho de um imigrante francês, que passou a maior parte da sua vida em Paris.

É hoje universalmente conhecido como Frédéric François Chopin , e não com o nome de Fryderik Franciszek que lhe foi dado quando o baptizaram."(http://www.portalsaofrancisco.com.br/biografias/frederic-chopin)

 

Frédéric Chopin: Polonaise No 1 in C sharp minor, Op. 26

 

Frédéric Chopin: Waltz Nº 1 in E flat Major, Op. 18

 

Frédéric Chopin: Waltz Nº 6 In D flat Major, Op. 64

 

Frédéric Chopin: Waltz Nº 5 In A Flat Major, Op. 42

 

Frédéric Chopin: Ballade Nº 3 In A Flat Major, Op. 47

 

Frédéric Chopin: Ballade Nº 1 In G Minor, Op. 23

 

Frédéric Chopin: Piano Concerto Nº 1 In E Minor, Op. 11 (1º and.)

 

Frédéric Chopin: Piano Sonata Nº 2 In B Flat Minor, Op. 35

 

Frédéric Chopin: Impromptu No. 2 in F-Sharp Major, Op. 36

 

Frédéric Chopin: Impromptu No. 1 in A-Flat Major, Op. 29

 

Frédéric Chopin: Fantaisie Impromptu in C-Sharp Major, Op. 66: Allegro agitato

 

Frédéric Chopin: Barcarole in F-Sharp Major, Op. 60

 

Frédéric Chopin: Sonata in G Minor for Cello and Piano, Op. 65: II. Scherzo: Allegro con brio (2º and.)

 

Frédéric Chopin: Sonata in G Minor for Cello and Piano, Op. 65: IV. Finale: Allegro (4º and.)

 

Frédéric Chopin, Concerto No. 2 in F Minor for Piano and Orchestra, Op. 21: II. Larghetto (2º and.)

 

Frédéric Chopin, Fantaisie in F Minor, Op. 49

 

Frédéric Chopin: Mazurkas, Op. 33: No. 1 in G-Sharp Minor

 

Frédéric Chopin: Mazurkas, Op. 50: No. 3 in C-Sharp Minor

 

Frédéric Chopin: Mazurkas, Op. Posth. 68: No. 3 in F Major: Allegro ma non troppo

 

Frédéric Chopin: Piano Sonata No. 2 in B-Flat Minor, Op. 35: III. Marche Funebre - Lento (3º and.)

 

Frédéric Chopin: Piano Sonata No. 2 in B-Flat Minor, Op. 35: IV. Finale: Presto (4º and.)

 

Frédéric Chopin: Scherzo No. 1 in B Minor, Op. 20

 

Frédéric Scherzo No. 3 in C sharp Minor, Op. 39

 

***

 

Ao longo período do romantismo, muitos foram os compositores que contribuíram  para caracterizar uma época que iniciava grandes progressos tecnológicos a todos os níveis da sociedade.

 

As formas e sonoridades, a diversidade temática e sua densidade emotiva, creio que são o perfeito pretexto para não perderes as próximas publicações.

 

Também no Facebook e Twitter, em qualquer dispositivo.

Passa por lá!

 

Por isso!...

Não percas o próximo post… porque nós… também não!

publicado por Musikes às 12:40 link do post
subscrever feeds
mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
comentários recentes
Identifico-me totalmente com o argumento deste pos...
Obrigado pelas suas palavras.Viverá para sempre na...
Para mim, a canção mais bonita cantada em lingua p...
Ola! ☺️Saudações Musikes! 🤗Claro que me lembro! Co...
Olá Pedro,Como estás? Eu sou a Alda, a colega que ...
blogs SAPO