Em cada um reside a fonte da partilha, e seja ela um dom ou não, deixa-me semear no teu ser o prazer da Música. Ela tem inspirado o Homem no revelar o seu pensamento, o interpretar e sentir o Universo ao longo de milénios. Bem vindo!
03 de Maio de 2019

Aqui algumas sugestões, entre muitas mais, para ir ao teatro neste mês de Maio.

 

MUSIKES!

Grandes Músicas… Grandes Épocas!...

 

 

Elmano Sancho evoca a conflituosa reviravolta de expectativas em torno do seu nascimento para levantar o véu de Damas da Noite: os pais esperavam uma menina, de nome já destinado, Cleópatra, mas nasceu um menino. O encenador pretende assim dar vida a esse outro desejado de si mesmo, uma espécie de duplo que existe numa realidade paralela que Damas da Noite encena.

 

Para erguer essa figura ficcionada, Elmano Sancho imergiu no mundo fascinante e provocador do transformismo. Os artistas transformistas “vestem a pele de um outro, tentam ser um outro”. São “flores que abrem de noite”. Através dessa interpretação paradoxal da diferença, Damas da Noite explora a presença ou ausência de fronteiras entre realidade e ficção, ator e personagem, homem e mulher, teatro e performance, tragédia e comédia, original e cópia, interior e exterior, dia e noite. Nesse jogo de relações, aposta-se a identidade como matéria fluida, “rimbaudiana”, revelando o outro que somos, o estrangeiro que albergamos.

 

 

Em 1900, Tchékhov escreveu As Três Irmãs, metáfora da crise do diálogo, da ação e do sonho, num tempo às portas da revolução que intuiu. Em Tchékhov é um Cogumelo, o encenador brasileiro André Guerreiro Lopes faz dela uma síntese poética e política onde ecoa o presente do seu país. Três atrizes de gerações distintas trazem excertos da peça de Tchékhov para um espaço-tempo feito de elementos de texto, música, dança e recursos audiovisuais.

 

Este “cogumelo” multimédia remete para o transe do tempo cénico. Para ele contribui André Guerreiro Lopes ao meditar na boca de cena, sendo a sua atividade cerebral transformada em impulsos elétricos que acionam uma instalação visual e sonora. Neste jogo imiscui-se uma entrevista de 1995 ao diretor do Teatro Oficina, Zé Celso, feita pelo próprio encenador ainda jovem, sobre a montagem abortada de As Três Irmãs em 1972, em plena ditadura brasileira. Esse sonho de criação e memória de resistência elevam Tchékhov é um Cogumelo a um horizonte de esperança.

 

Toda a programação!

 

 

Segue o Musikes em...

Facebook  Twitter  Padlet

publicado por Musikes às 10:47 link do post
04 de Março de 2019

Teatro Nacional São João 
 
7 de março é o primeiro dia do resto da vida do Teatro São João. Apagamos as velas dos 99 anos, acendemos as luzes dos 100 anos do edifício projetado por Marques da Silva. Assinalamos o dia de fora para dentro, do barulho da cidade para o silêncio do palco. Pela manhã, espalhamos palavras e imagens vídeo pelas praças da Batalha e dos Leões e pelo largo da estação da Trindade, como se lançássemos uma mensagem digital numa garrafa. Às 18:30, desvendamos o essencial do Programa dos 100 Anos: espetáculos, projetos, obra. Segue-se Das Tripas, Coração, uma visita guiada às entranhas do edifício conduzida por uma trupe de 24 atores, coro fantasmático às voltas com a memória cénica do TNSJ. A visita termina no palco, o coração do edifício, a nossa razão de ser, ainda e sempre. Quantos fantasmas vivem num teatro quase centenário? E quantos futuros saem de dentro dele?
 
Grandes Músicas… Grandes Épocas!
 
Aqui alguns destaques em Março.
 
Teatro Carlos Alberto 8-17 Mar 2019
 
Foi uma das grandes surpresas de 2018 e regressa para uma curta temporada de apresentações. Ter Razão foi um encontro improvável que redundou numa descoberta feliz, onde duas companhias aparentemente inconciliáveis, o Ensemble – Sociedade de Actores e o Teatro da Palmilha Dentada, partilharam riscos e risos. O teatro também pode ser isto, um lugar de encontros e de humores inesperados entre artistas de distintas gerações e formações, deixando-se contaminar por modos de fazer diferentes. Ter Razão é uma provocação, um divertimento sério sobre as pessoas e o seu quotidiano. Num palco que é uma cidade, onde uma mesa com rodas pode ser um carro e uma campainha de receção pode ser uma buzina, andamos às voltas com problemas de estacionamento, engarrafamentos monumentais e pessoas que se travam alegremente de razões. O dramaturgo e encenador Ricardo Alves conta-nos uma mesma história, neurótica e repetitiva, que se desdobra em diferentes pontos de vista. Quem tem razão? Quem não consegue deixar de ter razão?
 
 
Mosteiro São Bento da Vitória 21-23 Mar 2019
 
Olo é um solo sem “s” ou, melhor ainda, Um Solo Sobre um Solo. Nasceu da demorada convivência de Igor Gandra com uma marioneta num espaço vazio, o registo feito espetáculo do que se descobriu e inventou durante esse processo de escuta, de partilha. E de autoquestionamento: “Será que é possível representar o que acontece quando nos fechamos sozinhos numa sala de ensaios com o objetivo de criar uma coisa nova?” Ou, dito de um outro modo, mais inquietante ainda: “Estaremos realmente sozinhos quando estamos em cena a solo?” Olo também pode ser o nome do homenzinho que observamos em cena, como quem observa uma criança estranha que brinca com tudo e com nada. O uno e o múltiplo, mostrar e esconder, conter e ser contido, contar e ser contado são ideias em circulação nesta criação do Teatro de Ferro, onde se adivinham ressonâncias de universos tão distintos como os de Jorge Luis Borges, Andrei Tarkovski, Ágota Kristóf ou Heiner Müller.


Teatro Nacional São João 27 Mar-14 Abr 2019
 
É um herdeiro direto da “grega inquietação”, legado que reconhece e subverte. Martin Crimp é um dos grandes dramaturgos contemporâneos. Em O Resto Já Devem Conhecer do Cinema (2013), regressa às páginas de As Fenícias, de Eurípides, projetando-as contra o pano de fundo de uma pergunta insidiosa: “Sim, como podem os mortos viver agora?” Vivem ainda Jocasta, Édipo, Antígona, Creonte, Etéocles, Polinices, os enigmas da Esfinge, o coro de raparigas fenícias, a guerra, a honra, a justiça, o caos, o sangue. Mas o agora de Crimp é o agora mesmo, a barbárie do nosso quotidiano, a Europa, “cidade” dividida, decadente e sob ameaça, como Tebas. Os encenadores Nuno Carinhas e Fernando Mora Ramos reeditam a parceria testada em O Fim das Possibilidades, de Sarrazac (2015). Um monstro com quatro mãos e duas cabeças, capaz de afrontar e revolver as entranhas deste teatro político, lúdico, musical. Um teatro que muito duvida e que muito pergunta. “Que filme é esse que continuamente projetas no cinema deserto da minha cabeça?”

Conhece toda a programação!


Segue o Musikes no...
publicado por Musikes às 19:25 link do post
04 de Fevereiro de 2019

Teatro Nacional São João 30 Jan-10 Fev 2019
 
E porque de não só da televisão, do cinema ou streaming se faz cultura, eis aqui algumas sugestões para ir ao teatro.
Vá lá… espreite e marca já na agenda!
 
breuBREU
Teatro Carlos Alberto 14-23 Fev 2019
 
É nos bastidores do circo tradicional que o coletivo Musgo monta a tenda de BREU, o seu novo espetáculo, com criação e direção artística de Joana Moraes.
 
Neste universo, a companhia reconhece uma metáfora que condensa conceitos a serem trabalhados: a precariedade destes artistas, o desdobramento das suas funções, a estigmatização que enfrentam, uma profissionalização que lhes é negada. Com base no devising (o processo colaborativo de pesquisa e criação de raiz de material para cena, que o Musgo tem vindo a aprimorar) e inspirando-se em recolhas decorrentes de visitas a circos – documentadas numa exposição fotográfica de Paulo Pimenta que acompanhará BREU –, Joana Moraes irá erguer o texto dramático, permeável também a referências do cinema e da fotografia sobre o circo. Entre o glamour do espetáculo e a crueza da realidade, BREU quer assumir uma abordagem tão humanista quanto humorística do que entre eles transita. Não querendo ser nem realista nem documental, é “um espetáculo sobre precariedade, dedicação e amor”.

direção artística e criação
 
Joana Moraes
 
construção de texto
 
Joana Moraes
 
cenografia
Coletivo Monte
 
figurinos
 
Inês Mariana Moitas
 
desenho de luz 
 
Manuel Alão
 
sonoplastia
Joana Moraes, João Pedro Brandão
 
produção executiva
 
Marta Lima
 
interpretação e cocriação
 
Ana Vargas, Gilberto Oliveira, Joana Moraes, João Pamplona, Pedro Roquette, Sara Costa
 
dur. aprox. 1:20
 
M/12 anos
 
coprodução 
 
Musgo, TNSJ 
 

 

 
Carta-Branca: Oficinas e Babysitting
 
16 fev sáb 19:00
 
M/4 anos
 
inscrição € 2,50
Conversa pós-espetáculo
 
17 fev
les saintLES SAINT ARMAND
 
publicado por Musikes às 18:35 link do post
subscrever feeds
mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
comentários recentes
Ola! ☺️Saudações Musikes! 🤗Claro que me lembro! Co...
Olá Pedro,Como estás? Eu sou a Alda, a colega que ...
è Natal, é Natal....As mais belas canções de Natal...
Quando estou triste, paro e medito...Quando estou ...
A música é, sem dúvida, o alimento da alma... das ...
blogs SAPO